Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Novo Código dos Contratos Públicos reduz prazos previstos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mai (Lusa) -- O Governo aprovou hoje o novo Código dos Contratos Públicos (CCP), com a introdução de medidas de aumento de transparência e de simplificação que significam, em alguns casos, uma redução para metade da duração dos prazos previstos.

Em Conselho de Ministros, o executivo aprovou o novo CCP, incorporando quatro diretivas comunitárias e adotando um conjunto de medidas que preveem reforçar a simplificação e a transparência da contratualização pública em Portugal, explicou o ministro do Planeamento e Infraestruturas.

No briefing com jornalistas, Pedro Marques explicou que as alterações, que dizem respeito a 10 matérias, encurtam "significativamente os prazos" da contratualização pública.

"Estimamos que a execução do ajuste direto passe de 20 dias para oito dias, a consulta prévia a três entidades de 33 para 21 dias e o concurso público para menos de metade, de 41 para 18 dias", sublinhou.

Na simplificação de procedimentos, o Governo prevê ainda que as empreitadas até 300.000 euros possam realizar-se através de concurso público urgente.

O novo CCP permite também a adjudicação por lotes nos grandes contratos, ou seja, explicou Pedro Marques, "a partir 135.000 euros na aquisição de bens e serviços e dos 500.000 nas empreitadas, se passe a adjudicar por lotes, a não ser que seja indivisível o bem a adquirir ou a empreitada a contratar, fomentando a contratação de pequenas e médias empresas".

O código introduz também parcerias para a inovação, facilitando as condições de contratualização pública nas áreas de Inovação e Desenvolvimento (I&D), "quando o bem ou produto a contratar ainda vai ser desenvolvido".

Já quanto ao aumento da transparência, o ministro destacou o facto de a consulta a três entidades passar a ser obrigatória para ajustes diretos acima dos 20.000 euros nos bens e serviços ou de 30.000 euros nas empreitadas (quando antes era obrigatório nos 75.000 ou 150.000 euros, respetivamente).

"Fazemo-lo porque em Portugal quase 90% da contratualização pública é feita por ajuste direto e para regrar a utilização do ajuste direto neste contexto, que era muito elevada. Mas mesmo se pensarmos que no valor contratado metade era feito por ajuste direto, esta é uma razão mais que suficiente para esta alteração", afirmou o ministro.

O CCP em vigor define que o ajuste direto é "um procedimento pré-contratual através do qual a entidade adjudicante convida diretamente uma ou várias entidades à sua escolha a apresentar uma proposta" e permite que a entidade adjudicante "convide apenas uma única entidade e não estabelece qualquer limite máximo de entidades a convidar".

Com este novo código, o Governo pretende também criar a "figura do gestor de contrato", que nas entidades públicas fica responsável não só pelo processo de contratualização mas "também da execução de contrato", disse o governante.

"Do lado da entidade contratante temos assim mais responsabilidade e mais efetividade na boa execução dos contratos", acrescentou Pedro Marques.

Outra alteração destacada pelo ministro é o facto de a adjudicação passar a basear-se na relação qualidade preço e não apenas no preço, "tendo em conta custos que não o de aquisição inicial do bem, mas custos de ciclo de vida do bem ou os impactos ambientais da escolha efetuada", explicou.

Fica vedado também o critério do momento de entrega da proposta como critério de desempate.

SP/JF// ATR

Lusa/fim

+ notícias: Política

António Costa apela a quem saiba de mais vítimas de Pedrógão Grande para informar PJ e MP

O primeiro-ministro, António Costa, apelou hoje a que quem tenha conhecimento de um maior número de vítimas no incêndio de Pedrógão Grande, em junho, o comunique de imediato à Polícia Judiciária e ao Ministério Público.

Constança Urbano de Sousa nega existência de "lista secreta" de vítimas de Pedrogão Grande

A Ministra da Administração Interna garantiu hoje que "não existe uma lista secreta" das vítimas mortais do incêndio de Pedrogão Grande, sublinhando que os nomes constam de um processo judicial que está em segredo de justiça.

BE quer "reconstrução" de direitos laborais e crescimento económico para todos

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, pediu este domingo medidas para que o crescimento económico "chegue a todas as pessoas", defendendo "a reconstrução" de "direitos na legislação laboral que permitam a valorização de todos os salários".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS