Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

"Canções para revoluções" são recordadas segunda-feira num concerto em Lisboa

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 abr (Lusa) - Canções que nasceram em contexto de ditadura, de conflitos, que são de intervenção e de protesto, vão ser interpretadas pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, pelo Coro Sinfónico Lisboa Cantat e por vários convidados, na segunda-feira, em Lisboa.

O espectáculo "Canções para Revoluções", no Terreiro do Paço, tem por objetivo assinalar o aniversário da revolução de 25 de Abril de 1974, mas também se insere no programa de Lisboa - Capital Ibero-Americana de Cultura.

No concerto serão interpretadas 26 músicas ibero-americanas que abrangem praticamente todo o século XX, testemunhos de convulsões sociais e instrumentos de resistência em países como Cuba, Chile, Argentina, Portugal, México e Espanha, como explicou à agência Lusa o músico Luís Varatojo, que assina a direção artística.

O espectáculo envolverá cerca de 150 músicos e instrumentistas. Além da Orquestra Metropolitana de Lisboa e do Lisboa Cantat, estarão presentes António Zambujo, Vitorino, Lura, Silvia Perez Cruz, a soprano Marina Pacheco e o tenor Mário Alves, e os instrumentistas Pedor Jóia, Alexandre Frazão e Norton Daiello.

O maestro Cesário Costa assina a direção musical e Pedro Moreira é o autor dos novos arranjos, para canções como "Coro da Primavera", de José Afonso, "Cálice", de Chico Buarque, "Todo Cambia", de Mercedes Sosa, ou "Hasta Siempre", de Carlos Puebla.

Nas pesquisas desse património musical ibero-americano, Luís Varatojo disse que encontrou uma marca forte da identidade musical de cada país e uma mensagem social que não está datada nem perdeu atualidade.

"Há uma coisa curiosa comum a vários países aqui do repertório escolhido, que tiveram ditaduras tardias, até finais do século XX", disse.

"Canções para Revoluções" foi criado a convite da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGAC) no âmbito de Lisboa - Capital Ibero-Americana de Cultura e do programa "Abril em Lisboa", organizado para lembrar os valores e as conquistas da "Revolução dos Cravos".

SS // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS