Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Projeto de 1,3 ME leva eletricidade a 61 casas e explorações isoladas de Mértola

| País
Porto Canal com Lusa

Mértola, Beja, 21 abr (Lusa) - A eletricidade vai chegar a 61 casas e explorações agrícolas e pecuárias isoladas do concelho alentejano de Mértola, graças a um projeto de eletrificação rural de 1,3 milhões de euros "há muito ambicionado" por habitantes e agricultores.

Trata-se de "um projeto muito importante e há muito ambicionado pelos habitantes e proprietários agrícolas" beneficiários e que irá abranger 61 casas e explorações, disse hoje à agência Lusa Jorge Rosa, presidente da Câmara de Mértola, no distrito de Beja.

"É incompreensível e inacreditável, mas é verdade: em pleno século XXI, em Portugal, um país da União Europeia, ainda há pessoas a viver e a trabalhar sem eletricidade", lamentou.

Segundo o autarca, "é um projeto muito importante não só pela necessidade básica do ser humano de ter eletricidade, mas também porque se está a falar de explorações agrícolas e pecuárias situadas num território rural do interior e de baixa densidade e que sem eletricidade estariam condenadas ao insucesso e ao desaparecimento".

"Mesmo sem eletricidade e com solos pouco produtivos, há ainda famílias, algumas jovens com filhos pequenos, que insistem em manter-se a laborar na zona e, por isso, além de agricultores e criadores de gado, são heróis", disse o autarca.

Nesta lógica, considerou, "de certa forma, a eletrificação é uma forma de reconhecer e premiar o valor, a insistência, o trabalho e a mais-valia destas pessoas para o território".

A eletricidade irá permitir às explorações "desenvolverem os negócios de outra forma" e poderá "potenciar a criação de novos investimentos, nomeadamente na área da agroindústria", disse.

Segundo Jorge Rosa, o projeto vai beneficiar "a esmagadora maioria" das casas e explorações isoladas do concelho que ainda não tem eletricidade, mas, para já, ficam de fora "entre 10 a 15" interessados, que terão de esperar por outra eventual fase.

Trata-se de pessoas que só manifestaram interesse na eletrificação das suas casas ou explorações "recentemente e depois de perceberem que o projeto vai ser uma realidade", explicou.

O projeto vai implicar um investimento total de um milhão e 350 mil euros, cofinanciado em 85% pela empresa EDP Distribuição, a responsável pelo processo de instalação das infraestruturas elétricas, e em 15% pela Câmara de Mértola e pelos beneficiários, precisou o autarca.

Segundo dados prestados à Lusa pela EDP, o projeto, que arrancou em novembro de 2016, vai decorrer em três fases e deverá terminar em dezembro de 2018.

No total, vão ser instalados 30,155 quilómetros de linhas de média tensão, 25 postos de transformação e 27,010 quilómetros de redes de baixa tensão para ligar 61 casas e explorações isoladas à rede elétrica nacional.

A primeira fase do projeto, que arrancou em novembro de 2016 e deverá terminar em setembro deste ano, vai permitir instalar 8,165 quilómetros de linhas de média tensão, sete postos de transformação e 9,630 quilómetros de redes de baixa tensão para ligar 25 casas e explorações.

A segunda fase, que arrancou este mês e deverá terminar em maio de 2018, vai permitir instalar 9,460 quilómetros de linhas de média tensão, oito postos de transformação e 10,885 quilómetros de redes de baixa tensão para ligar 19 casas e explorações.

A terceira fase, que deverá arrancar em dezembro deste ano e terminar um ano depois, vai permitir instalar 12,530 quilómetros de linhas de média tensão, dez postos de transformação e 6,495 quilómetros de redes de baixa tensão para ligar 17 casas e explorações.

No âmbito da primeira fase, já estão instaladas infraestruturas para ligar seis beneficiários à rede elétrica nacional, sendo que a primeira instalação foi hoje ligada em Vale Romeiros com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

A ligação decorreu no âmbito da sessão inaugural da eletrificação rural no concelho de Mértola, que começou na aldeia de Vale do Poço com uma cerimónia também com a presença de Manuel Caldeira Cabral e que incluiu a assinatura de protocolos com os beneficiários do projeto.

LL // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS