Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Reestruturação da dívida criaria "situação mais dura para os portugueses"

| Política
Porto Canal com Lusa

Odivelas, Lisboa, 20 abr (Lusa) - A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque afirmou hoje que a dívida pública é sustentável e alertou que uma eventual reestruturação iria criar "uma situação muito dura para os portugueses".

"A sustentabilidade da dívida pública tem a ver com a nossa capacidade enquanto país de convencer quem nos financia de que somos capazes de a pagar. Isso passa por uma política orçamental responsável e por uma capacidade de crescimento", defendeu a antiga ministra das Finanças.

Maria Luís Albuquerque, que falava esta noite aos jornalistas, em Odivelas, à margem de um debate sobre a dívida pública portuguesa, sublinhou que "a questão da sustentabilidade da dívida pública tem muito mais a ver com a confiança dos mercados do que propriamente com qualquer valor absoluto".

"Nós conhecemos países com um nível de dúvida pública muito elevado em que a questão da sustentabilidade não se coloca e outros com níveis de dívida pública mais baixos que perdem acesso a mercados", atestou.

Quando questionada pelos jornalistas sobre as reuniões existentes entre o Governo e Bloco de Esquerda para discutir a reestruturação da dívida, a vice-presidente do PSD ressalvou que os sociais-democratas "não estão disponíveis para dialogar sobre essa matéria".

"O Governo tem tentado jogar nos dois tabuleiros e não dizer sim, nem não, nem que antes pelo contrário. Cabe ao Governo dizer o que tenciona fazer face à pressão dos seus parceiros", afirmou, sublinhando que o caminho dos sociais-democratas "é o das finanças públicas sustentáveis e o da continuação das reformas estruturais".

Na segunda-feira, a líder do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, falou da existência de vários grupos de trabalho que existem entre o BE, o PS e o Governo, nomeadamente a nível de habitação e da dívida pública.

Na ocasião, Catariana Martins afirmou que o BE "continua a dizer que é preciso olhar de frente e resolver o problema da dívida pública e que isso exige uma reestruturação".

FYS (PPF) // JLG

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Lei garante que trabalhadores do Infarmed podem recusar ir para o Porto, diz Fesap

O secretário-geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) disse hoje que os trabalhadores do Infarmed não podem ser obrigados a mudar-se para o Porto e que os que aceitarem fazê-lo têm direito a receber dinheiro pelas despesas de deslocação.

Aprovado aumento extraordinário de 6 ou 10 euros nas pensões

Os deputados aprovaram hoje na especialidade o aumento extraordinário das pensões, de seis ou de 10 euros, que começará a ser pago em agosto do próximo ano.

Eurico Castro Alves elogia a ida do Infarmed para o Porto

O médico Eurico Castro Alves, recentemente envolvido na Comissão de Candidatura da ida da EMA para a cidade do Porto, afirma que a ida do Infarmed é "uma boa notícia" para o Porto e para Portugal porque, para o médico, esta medida é "um sinal" que o Governo pretende "aplicar os recursos de uma forma distribuida, equitativa e organizada".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS