Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

ANTRAM garante que abusos de empresas nos seus sistemas de abastecimento são exceções

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 abr (Lusa) -- A Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) garantiu hoje que são exceções e não a regra os abusos de empresas nos seus sistemas próprios de abastecimento e gestão de combustíveis.

Em comunicado e como resposta ao presidente da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO), a ANTRAM reafirmou a preocupação e prioridade com o cumprimento de todas as regras, sublinhando que o receio se deve a "algumas histórias relacionadas com más práticas de alguns postos públicos".

"No entanto, a ANTRAM está consciente que estas situações de abuso são sempre exceção e nunca a regra", lê-se no comunicado da associação, que garante confiar no "sistema de controlo previsto pelo legislador" e que a fiscalização da Autoridade Tributária "será implacável no seu combate a toda e qualquer tentativa de fraude" em todos os tipos de postos.

Na sexta-feira, num colóquio sobre fiscalidade e energia, o presidente da APETRO, António Comprido, levantou suspeitas sobre a seriedade das empresas e sobre a fiabilidade, para efeitos fiscais, dos sistemas próprios de abastecimento e de gestão do combustível em sede de gasóleo profissional, segundo a ANTRAM.

A associação concluiu que o "estado de ansiedade" de António Comprido só pode ser entendido pelo "facto de não se confirmar a exclusividade de abastecimento do gasóleo profissional na esfera de negócio dos seus associados".

"Também como consumidores, acreditamos que o mercado, incluindo os dos combustíveis e da energia, carece de fatores que promovam a livre e sã concorrência e não de mecanismos artificiais que o espartilhem ou favoreçam práticas de concentração", concluiu a ANTRAM.

PL // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Francisco Louçã antevê uma nova crise financeira como em 2007

10 anos depois da crise, os desiquilíbros financeiros mantêm-se e o risco de uma nova crise é cada vez mais real. As palavras sao de Francisco Louçã, no livro "Sombras". Na obra, agora lançada, o economista aborda o poder da 'finança-sombra' e os riscos que esta impõe à economia global.

CIP indisponível para aumentar salário mínimo para 600 euros

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, afirmou hoje, em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, que não há disponibilidade para aceitar a proposta de 600 euros de salário mínimo para 2018.

Trabalhadores e Autoeuropa chegam a pré-acordo sobre horários de trabalho

Palmela, Setúbal, 20 nov (Lusa) - A Comissão de Trabalhadores e a administração da Autoeuropa chegaram hoje a um pré-acordo sobre os horários de trabalho, que deverá ser sufragado pelos trabalhadores durante a próxima semana, disse hoje à agência Lusa fonte das negociações.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS