Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

BE insiste que venda a privados do Novo Banco é um erro e por isso não apoiará Governo

| Política
Porto Canal com Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, insistiu hoje que é um “erro” vender o Novo Banco a privados, salientando que o Governo não terá o apoio do partido neste processo.

“A posição do BE é clara. Nós somos contra uma entrega a privados do Novo Banco numa situação em que os contribuintes ficam a pagar as perdas e o Estado Português não tem uma palavra a dizer sobre a gestão dos ativos”, afirmou a bloquista aos jornalistas, à margem de uma reunião com responsáveis da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Catarina Martins sublinhou que o Governo sabe desta posição “desde a primeira hora”, não precisando de o avisar pela Comunicação Social porque têm conversado muito.

“Nós já dissemos isto ao Governo tantas vezes. As pessoas lembram-se que quando o Governo decidiu entregar o Banif ao Santander não contou com o apoio do BE, portanto, não há nenhuma novidade nesta nossa posição”, frisou.

A comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, admitiu hoje a possibilidade de o Estado português manter 25% do capital do Novo Banco, mas apontou que então deverá assumir outros compromissos, escusando-se a especificar quais.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas, Vestager, questionada sobre notícias que apontam para a hipótese de a Comissão permitir que um quarto do capital do Novo Banco se mantenha no setor público, mas sob a condição de o Estado ficar fora da gestão do banco, disse que o executivo comunitário admite estudar alterações ao compromisso inicial (de venda de 100% do Novo Banco), mas salientou que a solução final deve ser “equilibrada”.

“Claro que discutimos com as autoridades portuguesas, como discutimos com outras, se estiverem numa situação em que querem alterar compromissos. A nossa missão é assegurar que as alterações são equilibradas. Por isso, se alguém quer fazer algo, talvez favorecendo uma parte, então é preciso equilibrar isso assumindo compromissos noutra área. Mas o processo ainda está em curso, e é da responsabilidade das autoridades portuguesas garantir a venda”, afirmou.

A líder do BE sustentou que o que a Comissão Europeia diz é o “pior de dois mundos” porque o Estado Português não fica com o banco todo, mas fica com uma parte e, portanto, com a responsabilidade sobre imparidades futuras.

“Mas, não pode ter uma palavra na sua gestão e, portanto, não tem uma palavra sequer na gestão dos ativos que vão determinar quanto é que o Estado Português vai pagar ou não destas imparidades no futuro, parece-nos que não tem sentido absolutamente nenhum”, frisou.

Na opinião da bloquista, o Novo Banco deve permanecer público porque tem já muito dinheiro público e porque é um “desastre” andar a limpar com dinheiro público bancos privados para, depois, os entregar outra vez a privados.

“O Estado Português fica sempre com o prejuízo, os contribuintes ficam sempre com o prejuízo para os privados fazerem depois outra vez o que lhes apetece, portanto, a posição de principio do BE é que o Novo Banco deve ser de gestão pública, o Estado deve assumir essa gestão porque já que perdemos o dinheiro que tenhamos o controlo do banco”, vincou.

Catarina Martins assegurou que o partido “fará tudo ao seu alcance” para defender a melhor solução para o interesse público, fazendo os debates que devem ser feitos com o Governo e no Parlamento.

+ notícias: Política

Presidente da República promulga "Programa de Apoio ao Acesso à habitação"

O Presidente da República promulgou esta terça-feira o diploma do Governo que estabelece o "1.º Direito -- Programa de Apoio ao Acesso à Habitação", expressando a expectativa de que esta legislação não irá sobrecarregar as autarquias locais.

Oposição da Câmara do Porto quer revisão do regulamento do 'Porto de Tradição'

A classificação de estabelecimentos do Porto como lojas históricas esteve em discussão na reunião da Câmara Municipal do Porto. A oposição quer a revisão do regulamento do 'Porto de Tradição', iniciativa que avalia o interesse histórico das lojas.

Secretário de Estado da Educação fala sobre os desafios do ensino profissional em Vizela

Os desafios do ensino profissional estiveram em debate, em Vizela, num encontrou que contou com a presença do Secretário de Estado da Educação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.