Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Estudo evidencia que paixão pelo futebol é "uma forma de amor tribal"

| Desporto
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 20 mar (Lusa) -- Um estudo desenvolvido durante três anos por investigadores da Universidade de Coimbra (UC) demonstra que a paixão pelo futebol é "uma forma de amor tribal", afirma aquela instituição numa nota hoje divulgada.

A paixão pelo futebol, como é sabido, "desperta emoções, por vezes irracionais, que atravessam a fronteira entre o amor tribal e o fanatismo", afirma a UC, numa nota enviada hoje à agência Lusa, a propósito de uma investigação pioneira que lança "alguma luz" sobre o assunto.

Essa tensão entre amor e fanatismo, que "implica simultaneamente o sentimento de pertença a um grupo e de rivalidade com outros grupos", é que "define o amor tribal", sublinha a UC, referindo que a investigação foi realizada no Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da UC.

Os investigadores Catarina Duarte, Miguel Castelo-Branco e Ricardo Cayolla estudaram o cérebro de 56 adeptos, na sua maioria das claques oficiais da Académica de Coimbra e do Futebol Clube do Porto, cujo nível de paixão foi avaliado através de pontuações de avaliação psicológica.

Os participantes na investigação, 54 homens e duas mulheres, com idades compreendidas entre 21 e 60 anos, foram expostos a vídeos emocionalmente intensos, quer positivos (golos com significados especiais, por exemplo), quer negativos ou neutros.

No estudo, já publicado na SCAN -- "uma das revistas de neurociências das emoções mais prestigiadas a nível mundial" -- foi observada "a ativação de circuitos cerebrais de recompensa que são semelhantes aos que são ativados na experiência do amor romântico", afirma Miguel Castelo-Branco, coordenador da investigação.

"Em particular, os circuitos de memória emocional são mais recrutados pelas experiências positivas do que pelas negativas", salienta Miguel Castelo-Branco, citado pela UC.

Isto significa, acrescenta Miguel Castelo-Branco, que "a paixão tende a prevalecer sobre os conteúdos mais negativos, como, por exemplo, de derrota com o rival, que tendem a ser suprimidos da memória emocional".

O estudo coloca por isso em relevo "os aspetos positivos desta forma de amor tribal e de que o cérebro dispõe de mecanismos para suprimir conteúdos negativos", realça o especialista, admitindo que "o cérebro parece, por essa razão, ter mecanismos de proteção contra memórias suscetíveis de levar ao ódio tribal".

"Curiosamente, quanto maior o 'score' de paixão clubística medida psicologicamente, maior é a atividade em certas regiões do cérebro associadas a emoções e recompensa, algumas semelhantes às envolvidas no amor romântico", conclui o coordenador do estudo.

JEF // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Desporto

Maniche lembra a vontade de ganhar e "cotoveladas saudáveis" de Jorge Costa como formas da mística do FC Porto

Ganhar. É esta a palavra que Maniche, antigo jogador do FC Porto, define a mística do clube azul e branco. O médio centro relembra as cotoveladas de Jorge Costa como certa forma de mística transmitida no desejo de ganhar.

Maniche afirma que não renovou pelo SL Benfica porque Luís Filipe Vieira lhe queria impor José Veiga como empresário

Maniche, antigo jogador FC Porto, em entrevista ao Porto Canal, nesta segunda-feira, explica que não renovou pelo SL Benfica no ano de 2002 porque Luís Filipe Vieira lhe queria impor José Veiga como empresário.

Fernando Santos diz que o 'clássico' não vai influenciar jogo com a Suécia

O selecionador português de futebol, Fernando Santos, assegurou hoje que o 'clássico' Benfica-FC Porto, no sábado, para a I Liga, não vai interferir nas suas escolhas para o desafio particular com a Suécia, na terça-feira.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Imperdíveis

Casa Ermelinda Freitas em Águas...