Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Carlos Silva recomenda aproximação aos trabalhadores

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 mar (Lusa) - O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, reconheceu que o decréscimo na sindicalização se agravou com a crise económica dos últimos anos e recomendou a aproximação aos trabalhadores, prática que tem seguido e que resultou no aumento da filiação.

Carlos Silva, quase a terminar o seu primeiro mandato como secretário-geral da UGT, garantiu, em entrevista à agência Lusa, que conseguiu concretizar o objetivo que defendeu quando foi eleito, em abril de 2013.

Na altura, preconizou para a UGT um sindicalismo mais interventivo, com mais protestos nas ruas e mais próximo dos trabalhadores, nos locais de trabalho.

Para concretizar o objetivo, ao longo dos últimos quatro anos Carlos Silva visitou empresas por todo o país, contactando com comissões de trabalhadores e delegados dos sindicatos da UGT, assim como representantes das empresas. Não fez plenários porque não sentiu necessidade disso, mas ouviu os desabafos e as críticas dos trabalhadores no terreno.

"Consegui que uma grande parte dos sindicatos tivesse aumentado o seu número de filiados. Aliás, muitos secretários-gerais têm-me dito que [isso aconteceu] pelo facto de eu ter ido visitar, com muita regularidade, empresas, falado com o Conselho de Administração, falado com os delegados sindicais", disse Carlos Silva à Lusa.

Por isso, aconselhou aos sindicatos que queiram crescer a aposta no trabalho no terreno.

"Mas os sindicatos são poderosos enquanto o setor for pujante e enquanto tiver muitos trabalhadores", disse, lembrando a quebra verificada na Europa e nos Estados Unidos em setores tradicionalmente fortes, como o do automóvel.

Carlos Silva considerou que a crise do sindicalismo, com baixa do número de sindicalizados, afetou a generalidade dos países da Europa, devido à crise que afetou milhões de pessoas, que gerou desemprego e emigração, "que põe em causa a própria vivência sindical".

O secretário-geral da UGT lembrou que em Portugal existem pouco mais que um milhão de sindicalizados e considerou que isso se deve ao facto de o tecido empresarial português ser maioritariamente constituído por micro e pequenas empresas, onde é difícil os sindicatos entrarem.

Por isso, a taxa de sindicalização nunca ultrapassou os 22% ou 23% e, com os anos de crise, passou para os 17%, 18%, disse.

A individualização das relações laborais também tem contribuído para a redução da presença dos sindicatos que são um projeto coletivo, considerou.

Quando assumiu a liderança da UGT, Carlos Silva prometeu também, além do sindicalismo de bases, uma aproximação à sua congénere, a CGTP, mas reconhece os fracos resultados e assume a sua quota-parte de responsabilidade no falhanço.

"Não estou a dizer que a culpa é da outra central, também assumo a minha parte. Mas não é fácil trabalhar quando há ideias pré-concebidas em relação a determinadas matérias", disse.

Lembrou que, "apesar de todas as dificuldades, nos momentos-chave, o movimento sindical esteve unido em lutas setoriais", nomeadamente nos transportes, na administração pública e na educação.

RRA // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Cerca de 30 pessoas protestam em Lisboa contra fecho da CGD em Pedras Salgadas

Cerca de 30 pessoas estão, esta terça-feira, a protestar em frente à sede da Caixa Geral de Depósitos (CGD), em Lisboa, contra o fecho da agência de Pedras Salgadas, no concelho de Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real.

Atualizado 20-06-2018 15:48

Produção no setor da construção sobe em abril com Portugal acima da média da UE

A produção no setor da construção aumentou, em abril, 1,8% na zona euro e 0,9% na União Europeia (UE), face ao mesmo mês de 2017, segundo o Eurostat, com Portugal a subir acima da média (3,2%).

Portugal com segunda menor taxa de oferta de emprego da UE no 1º trimestre

Portugal registou a segunda menor taxa de ofertas de emprego (0,9%) no primeiro trimestre, menos de metade da média da zona euro (2,1%) e da União Europeia (UE 2,2%), segundo o Eurostat.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.