Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Carlos Silva recomenda aproximação aos trabalhadores

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 mar (Lusa) - O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, reconheceu que o decréscimo na sindicalização se agravou com a crise económica dos últimos anos e recomendou a aproximação aos trabalhadores, prática que tem seguido e que resultou no aumento da filiação.

Carlos Silva, quase a terminar o seu primeiro mandato como secretário-geral da UGT, garantiu, em entrevista à agência Lusa, que conseguiu concretizar o objetivo que defendeu quando foi eleito, em abril de 2013.

Na altura, preconizou para a UGT um sindicalismo mais interventivo, com mais protestos nas ruas e mais próximo dos trabalhadores, nos locais de trabalho.

Para concretizar o objetivo, ao longo dos últimos quatro anos Carlos Silva visitou empresas por todo o país, contactando com comissões de trabalhadores e delegados dos sindicatos da UGT, assim como representantes das empresas. Não fez plenários porque não sentiu necessidade disso, mas ouviu os desabafos e as críticas dos trabalhadores no terreno.

"Consegui que uma grande parte dos sindicatos tivesse aumentado o seu número de filiados. Aliás, muitos secretários-gerais têm-me dito que [isso aconteceu] pelo facto de eu ter ido visitar, com muita regularidade, empresas, falado com o Conselho de Administração, falado com os delegados sindicais", disse Carlos Silva à Lusa.

Por isso, aconselhou aos sindicatos que queiram crescer a aposta no trabalho no terreno.

"Mas os sindicatos são poderosos enquanto o setor for pujante e enquanto tiver muitos trabalhadores", disse, lembrando a quebra verificada na Europa e nos Estados Unidos em setores tradicionalmente fortes, como o do automóvel.

Carlos Silva considerou que a crise do sindicalismo, com baixa do número de sindicalizados, afetou a generalidade dos países da Europa, devido à crise que afetou milhões de pessoas, que gerou desemprego e emigração, "que põe em causa a própria vivência sindical".

O secretário-geral da UGT lembrou que em Portugal existem pouco mais que um milhão de sindicalizados e considerou que isso se deve ao facto de o tecido empresarial português ser maioritariamente constituído por micro e pequenas empresas, onde é difícil os sindicatos entrarem.

Por isso, a taxa de sindicalização nunca ultrapassou os 22% ou 23% e, com os anos de crise, passou para os 17%, 18%, disse.

A individualização das relações laborais também tem contribuído para a redução da presença dos sindicatos que são um projeto coletivo, considerou.

Quando assumiu a liderança da UGT, Carlos Silva prometeu também, além do sindicalismo de bases, uma aproximação à sua congénere, a CGTP, mas reconhece os fracos resultados e assume a sua quota-parte de responsabilidade no falhanço.

"Não estou a dizer que a culpa é da outra central, também assumo a minha parte. Mas não é fácil trabalhar quando há ideias pré-concebidas em relação a determinadas matérias", disse.

Lembrou que, "apesar de todas as dificuldades, nos momentos-chave, o movimento sindical esteve unido em lutas setoriais", nomeadamente nos transportes, na administração pública e na educação.

RRA // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Protocolo com Iberdrola leva ao investimento de 50 milhões de euros em sete municípios transmontanos

Sete municípios transmontanos vão investir 50 milhões de euros em projetos sociais e culturais até ao final de 2017. O montante resulta do protocolo estabelecido com a espanhola Iberdrola, empresa que está a construir três barragens no Alto Tâmega. O projeto hidroelétrico, um dos maiores a nível europeu, está orçado em 1.500 milhões de euros.

Défice público 'derrapa' 300 milhões de euros com aumento dos reembolsos fiscais

O défice orçamental das administrações públicas, em contabilidade pública, subiu para 1.931 milhões de euros nos primeiros quatro meses do ano, piorando 314 milhões face ao mesmo período do ano passado, indicou hoje o Ministério das Finanças.

BES: Mais de 1.900 clientes lesados do papel comercial aceitaram solução

Lisboa, 26 mai (Lusa) -- Mais de 1.900 clientes que investiram em papel comercial vendido pelo BES, o equivalente a 97% do total, aceitaram aderir ao mecanismo que visa compensar parcialmente as perdas sofridas na queda do banco, segundo informação enviada à Lusa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS