Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Órgãos históricos da Sé do Porto voltam a soar em abril após restauro de dois anos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 18 mar (Lusa) - Os órgãos históricos da Sé do Porto, datados do século XVIII, mas com alterações nos séculos seguintes, estão a ser alvo de operações de conservação e restauro que culminam em abril após cerca de dois anos de intervenção.

Em causa estão dois órgãos de tubos que convivem frente a frente num templo classificado como Monumento Nacional, sendo um designado como "órgão do evangelho", à esquerda para quem está de frente para o altar, e outro como "órgão da epístola".

O mestre organeiro Dinarte Machado, responsável pelos trabalhos, descreveu à agência Lusa dois órgãos diferentes, cada qual com o seu bilhete de identidade, sendo que o instrumento da esquerda se identifica mais com o século XVIII e o outro com a primeira metade do século XIX.

"A harmonização está a ter em conta essas duas identidades. Mas apesar de as respeitar, é preciso perceber que eles vão tocar juntos. E para que toquem juntos é preciso fazer uma harmonização que dá ao órgão da epístola um som mais grave, complementando o que o órgão do evangelho não tem", descreveu Dinarte Machado, organeiro há mais de três décadas.

O convite ao mestre que restaurou quase uma centena de órgãos do acervo histórico português, incluindo dezenas nos arquipélagos dos Açores e Madeira, os seis órgãos do conjunto histórico do Palácio Nacional de Mafra, e participou no restauro de instrumentos do Palácio Real de Madrid e da igreja de São Francisco, em Lorca, Espanha, surgiu por parte do Cabido da Sé do Porto, num processo autorizado pela Direção Regional de Cultura do Norte e acompanhado pelo cónego Ferreira dos Santos.

Dinarte Machado contou à Lusa que o trabalho da sua equipa surge depois de duas outras grandes intervenções, uma levada a cabo no século XIX por um organeiro da zona do Porto que assinava com o nome "Santos" e outra feita nos anos 1970 pela empresa holandesa Flentrop.

"O Santos fez uma intervenção no órgão da epístola e aumentou o número de registos graves de base. Foi muito inteligente da parte dele. Não desmistifica em nada o conjunto", apontou Dinarte Machado que já sobre a operação levada a cabo pela empresa holandesa é menos otimista, considerando que a Flentrop "terá tentado manter as caraterísticas dos órgãos mas aplicou materiais que hoje não são concebíveis".

"O trabalho dessa firma foi importante por pôr os instrumentos a tocar. Nos anos 1970 encontraram o órgão do evangelho totalmente degradado. Do ponto de vista de filosofia de conservação e restauro não foi uma catástrofe mas foi muito próximo", analisou.

O mestre organeiro, que foi condecorado pelo Presidente da República e ganhou o prémio internacional Europa Nostra em 2010, teve agora a missão de recuperar a qualidade do vento, corrigindo a posição dos foles, peças que descreve como "os pulmões dos órgãos".

"Se calhar há quem ache que qualquer um pode fazer isto desde que saiba apertar um parafuso. Não é bem assim", alertou, acrescentando que conseguiu substituir os "materiais menos nobres" encontrados pelas corrediças originais e históricas que "por acaso estavam conscientemente guardadas".

Soma-se a correção de aspetos mecânicos e, do lado da epístola, a retirada de um forro de madeira de pinho considerado "prejudicial em termos acústicos".

Paralelamente à intervenção deste mestre organeiro está a ser feita uma operação nas caixas - os armários - numa lógica de continuidade e cooperação entre artes que Dinarte Machado aplaude.

"Quando entramos numa igreja e olhamos para a caixa de órgão, esta pode não ter nada lá dentro mas ele já começa a soar. A imagem transmite aquilo que já estamos a ouvir pelo que nunca essa imagem pode ser entregue a alguém que não ouve", apontou.

Preocupado com o futuro do património organeiro do país, Dinarte Machado realça que "é preciso pensar que o restauro dos instrumentos é importante, mas o primeiro mandamento para a manutenção de um órgão é que seja utilizado", embora advirta para o "respeito pela peça".

"É importante que as pessoas tenham consciência e digam 'eu aprendi notas de música, sei tocar, sou dotado, mas a minha especialidade não é organista num órgão histórico'. Um polícia para isso é ridículo. Isto tem de estar na consciência das pessoas. A defesa do nosso património é a defesa da nossa própria identidade", afirmou.

Quanto ao Porto, Dinarte Machado recomenda "a uma cidade que cada vez mais se expõe aos turistas" que preserve aquilo que é o seu património e a sua identidade, sem esquecer os seus órgãos de tubos.

A ideia do mestre organeiro, que recentemente foi convidado para académico correspondente da Academia Nacional de Bela Artes, é que o Porto crie um roteiro sobre os órgãos de tubos da cidade, a par de uma programação com concertos, envolvendo mecenas e o comércio local.

PYT // TDI

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Cinzas dos incêndios poluem praias do Porto

O areal das praias de Leça da Palmeira, de Matosinhos e da Foz do Porto está coberto de cinzas. O Porto Canal falou com a Polícia Marítima que indicou que as cinzas serão provenientes dos incêndios dos últimos dias. Sabe-se ainda que a Capitania do Porto já iniciou a devida limpeza dos locais.

Polícia Judiciária detém cinco suspeitos de sequestrar e roubar casal idoso em Viana do Castelo

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta quarta-feira a detenção, em colaboração da PSP, de cinco suspeitos de sequestrar e roubar um casal de idosos de Viana do Castelo, atuando encapuzados e munidos de arma de fogo.

Cerca de 150 pessoas protestam em Guimarães "incompetência" do Governo nos incêndios

A demissão de Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna, acontece numa altura de revolta da sociedade civil, pelas mortes e pela destruição causada pelos incêndios. Para o próximo sábado, dia do conselho de ministros extraordinários, estão marcadas várias manifestações, sendo que esta terça-feira à noite, em Lisboa e em Guimarães, aconteceram as primeiras. Perto de 150 pessoas concentraram-se no centro da cidade de Guimarães e culpam o Governo acusando-o de "incompetência".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"