Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

BES: Carlos Costa vai ao parlamento na próxima quinta-feira

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 mar (Lusa) - O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, vai ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças na próxima quinta-feira, dia 23, em duas audições distintas mas consecutivas, ambas relacionadas com o caso BES.

Às 17:00 tem lugar a audição do responsável sobre a definição de perímetros e medidas tomadas no âmbito do processo de resolução do Banco Espírito Santo (BES), bem como sobre a situação atual do Novo Banco.

Depois, pelas 19:00, é a vez de Carlos Costa ser ouvido no âmbito do pedido que dirigiu à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) para "prestar contas sobre a atuação do banco central, defender a sua reputação e proteger a confiança do público na eficácia e na diligência da supervisão bancária acerca da resolução do Banco Espírito Santo".

Em 08 de março, ficou decidido que o governador do BdP vai ser ouvido nesta comissão duas vezes, ao contrário do que pretendiam os partidos, sabendo-se que Carlos Costa só estava disponível a partir do próximo dia 23, uma vez que tinha compromissos profissionais fora de Portugal.

"No meu entendimento, numa perspetiva institucional, se o governador pede à COFMA [Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa] para ser ouvido, é ouvido. No dia em que as boas relações de colaboração institucional começarem a ser postas à prova entramos numa rotina disruptiva do regime democrático", lançou Teresa Leal Coelho, a deputada do PSD que preside os trabalhos desta comissão.

"Não aceito a fusão das duas audições", sublinhou a responsável, referindo-se à proposta que foi acolhida por todos os grupos parlamentares representados na COFMA e que visava agregar a audição pedida pelo próprio Carlos Costa e o requerimento que o PCP tinha apresentado anteriormente para ouvir o governador.

Carlos Costa pediu para ser ouvido na COFMA para "repor a verdade", numa reação às recentes reportagens da SIC sobre o caso BES, com incidência na atuação da instituição liderada por Carlos Costa no segundo semestre de 2013.

Apesar de, na terça-feira, ter ficado acordado entre os deputados a realização de uma única audição ao líder do banco central, com Carlos Costa a poder proferir uma intervenção inicial, mas com o PCP a ser o primeiro partido a fazer perguntas, Teresa Leal Coelho 'trocou as voltas' aos deputados e usou os seus poderes de presidente para impor a realização de duas audições separadas.

Segundo a reportagem da SIC intitulada 'Assalto ao Castelo', técnicos do BdP assinaram uma nota informativa interna, logo em novembro de 2013, na qual punham em causa a continuidade de quatro administradores do BES e sugeriam mesmo o afastamento imediato do presidente, Ricardo Salgado.

O PCP e o Bloco de Esquerda defendem a demissão de Carlos Costa, mas o primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, recusou essa hipótese.

O líder parlamentar socialista, Carlos César, admitiu na última quinta-feira que os novos dados que indiciam uma ação tardia do governador no caso BES constituem "objeto de reflexão", confirmando "falhas significativas" da supervisão.

DN // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030

O Governo tem previstas mil ações de preservação da orla costeira entre 2020 e 2030. A Secretaria de Estado do Ordenamento do Território visitou, na passada segunda-feira, três destas intervenções que se estão a realizar em Vila Nova de Gaia.

Vila Real e Paços de Ferreira: os opostos no que toca a pagar aos fornecedores

A Direção-Geral das Autarquias Locais apresentou um ranking que demonstra que em Portugal cerca de um terço das autarquias demoraram, em 2017, mais de um mês para pagar aos fornecedores. Um dos destaques positivos na região Norte vai para Vila Real, que demora apenas um dia a pagar aos fornecedores, já no lado oposto, está a autarquia de Paços de Ferreira que em 2017 demorava, em média, cerca de dois anos a pagar.

Assunção Cristas preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura

Assunção Cristas diz que o Governo não está a fazer tudo o que pode para negociar o melhor Orçamento possível da Comissão Europeia. A presidente do CDS-PP, que esteve em Viana do Castelo na pssada segunda-feira, onde decorrem as jornadas parlamentares, mostra-se preocupada com os cortes previstos para áreas como a agricultura.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.