Info

Governo de Passos Coelho é acusado de esconder problemas na CGD antes das eleições

Governo de Passos Coelho é acusado de esconder problemas na CGD antes das eleições
| Política
Porto Canal (MYR)

O Governo de Passos Coelho guardou pareceres da Inspeção Geral das Finanças que mostravam aumento das imparidades da Caixa Geral de Depósitos, durante seis meses e só os despachou 15 dias antes das eleições, adiantou o jornal Público, esta segunda-feira.

O anterior governo executivo, liderado por Passos Coelho, omitiu pareceres da Inspeção-Geral das Finanças que apontavam para um aumento das imparidades da Caixa Geral de Depósitos (CGD), tendo-os despachado 15 dias antes das eleições legislativas do ano passado.

Estes documentos correspondiam a relatórios trimestrais da Comissão de Auditoria da CGD, de 2014, tendo sido guardadas nas Finanças, desde Março a Setembro de 2015.

O Jornal Público adianta que os pareceres deram entrada nas Finanças a 12 e 20 de Março do ano passado, acrescentando que o Tribunal de Contas já tinha revelado um fraco "controlo da CGD pelo Estado" entre 2013 e 2015. Os relatórios correspondiam ao período em que foi efetivada a recapitalização da CGD decidida por Vitor Gaspar no ano de 2012 e que Maria Luís Albuquerque levou a cabo, processo que envolveu uma injeção de capital de cerca de 1500 milhões de euros.

Comparativamente, no terceiro e quatro trimestres de 2014, os pareceres da Comissão da Auditoria da CGD deram já conta de um aumento das imparcialidades registadas pelo banco público, que apesar de terem chegado ao Parlamento português, a maior parte da informação foi omitida.

+ notícias: Política

Veja aqui as medidas do Plano de Estabilização Económica e Social

O Governo apresentou na quinta-feira o Plano de Estabilização Económica e Social, para fazer face aos efeitos da pandemia de covid-19, que inclui medidas como a prorrogação automática do subsídio de desemprego e a atribuição de um abono de família extra.

Covid-19: Fronteiras entre Portugal e Espanha só deverão abrir a 01 de julho

O Governo português garantiu esta quinta-feira que Ainda não há data para a reabertura das fronteiras com Espanha. A posição surge depois da Ministra do Turismo de Espanha ter dito que o país reabriria as fronteiras a partir de 22 de junho, um calendário já alterado pelo Governo espanhol.

Estado vai pagar entre 100 a 351 euros a trabalhadores que perderam rendimentos

O primeiro-ministro anunciou hoje que em julho será pago um complemento de estabilização, entre 100 e 350 euros, para compensar quem teve perda salarial relativamente a um mês de "lay-off" e tenha vencimento até 1.270 euros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.