Info

Viseu passa a integrar também a rede do Turismo do Porto e Norte de Portugal

| Economia
Porto Canal com Lusa

O município de Viseu vai passar a integrar a rede do Turismo do Porto e Norte de Portugal, no âmbito de um protocolo que foi hoje aprovado por unanimidade na reunião de Câmara.

Actualizado 01-11-2016 16:26

"Isto não significará que deixemos de participar e colaborar com o Turismo Centro de Portugal, haverá aqui uma lógica complementar", explicou o presidente da Câmara, Almeida Henriques, aos jornalistas.

Segundo o autarca, atualmente "grande parte do crescimento" que tem sido verificado em Viseu ao nível do turismo deve-se a "turistas que vêm do Norte, do aeroporto Francisco Sá Carneiro".

"Os nossos turistas entram pelo (aeroporto) Francisco Sá Carneiro. Seria um desperdício que não entrássemos nesta dinâmica do Norte, para Viseu também ser promovido ao mesmo tempo de Braga e Guimarães", exemplificou, acrescentando que Viseu ficará "em igualdade de circunstâncias com estes destinos".

Almeida Henriques lembrou que, por outro lado, há destinos, como o Porto, que "começam a estar sobrecarregados".

"A existência de cidades alternativas vai ser cada vez mais uma realidade. Não faria sentido que nós não estivéssemos nesta dinâmica do Norte, se é por lá que estão a entrar oito milhões de pessoas por ano", sublinhou.

Eleito em 2013, Almeida Henriques tem lamentado que o Turismo Centro de Portugal não se envolva mais na promoção de Viseu enquanto destino, sobretudo no que respeita aos eventos relacionados com o vinho do Dão.

"O nosso capital de queixa é na falta de apoio. Achamos que o Turismo de Centro não tem dado a atenção devida ao destino Viseu", afirmou, lembrando que a proximidade ao Norte tem acontecido desde o início do seu mandato.

Apesar das críticas ao Turismo Centro de Portugal, segundo o antigo secretário de Estado da Economia, "nada mudou".

"Continuaremos sempre a colaborar com o Turismo Centro de Portugal, nunca esteve em causa que nós pudéssemos sair. Não se trata de sair de um lado para entrar no outro. Trata-se de estar nos dois, porque complementam a oferta de Viseu", garantiu.

De acordo com o autarca, Viseu será o primeiro município do país a pertencer a duas entidades regionais de turismo diferentes, uma situação que é legal. O protocolo deve ser celebrado em breve.

O município continua a dialogar com o Turismo Centro de Portugal na expectativa de que algumas das suas pretensões mereçam acolhimento, como, por exemplo, os eventos do vinho do Dão, a Feira de S. Mateus e a aposta no futuro Viseu Arena.

"Acho que são projetos suficientemente estruturantes para terem uma participação mais forte do Turismo do Centro, para além de entendermos que a nossa presença não tem de ser igual à de outros municípios que não têm nada para oferecer", realçou.

Almeida Henriques lembrou que Viseu tem 1.700 camas que têm de ser ocupadas, sendo insuficiente que o Turismo Centro de Portugal, nas várias feiras em que participa, "se limite a um folheto" para promover o concelho.

"Tem que se assumir Viseu como destino e a verdade é que ao longo destes três anos quem tem sido o motor temos sido nós. Nós temos pago tudo", lamentou, acrescentando que do Turismo Centro de Portugal só tem visto "boa vontade".

+ notícias: Economia

Rendimentos operacionais do Banco CTT sobem 27% para 23,6 ME em 2018

Os rendimentos operacionais recorrentes do Banco CTT subiram 27% no ano passado, face a 2017, para 23,6 milhões de euros, "sobretudo alavancado pelo crescimento da margem financeira (aumento de 4,5 milhões de euros), anunciaram esta quarta-feira os CTT.

Deco recebeu 29.350 pedidos de ajuda de famílias sobre-endividadas em 2018

A Deco recebeu 29.350 pedidos de ajuda de famílias em situação de sobre-endividamento, valor que supera os pedidos registados um ano antes e que chegou maioritariamente de pessoas entre os 40 e os 65 anos de idade.

Taxa turística do Porto rendeu 10,4 milhões de euros com 5,2 milhões de dormidas em 2018

A Câmara do Porto angariou 10,4 milhões de euros em 2018 com a taxa turística que começou a ser cobrada em março e se aplicou a “mais de 5,2 milhões de dormidas”, revelou esta terça-feira o vereador da Economia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.