Despesas com parcerias público-privadas aumentaram 65%

Despesas com parcerias público-privadas aumentaram 65%
| País
Porto Canal (DYC e PYR)

Os custos com as parcerias público-privadas dispararam 65% no primeiro trimestre de 2015 e foram as autoestradas que mais contribuíram.

INFOGRAFIA

Infografia

Por dia foram gastos 3,6 milhões de euros com as parcerias rodoviárias contratualizadas entre 2007 e 2010 pelo Governo de Sócrates. Os dados são da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projectos do Ministério das Finanças. Há um ano e meio que decorrem as negociações com as concessionárias para baixar a despesa, mas nuns casos sem sucesso e outros à espera do aval dos bancos ou do Tribunal de Contas.


Nas restantes parcerias público-privadas (PPP) apenas a da segurança está a crescer, podendo o custo com a Rede de Emergência e Segurança de Portugal baixar 25 milhões de euros. Já a despesa com os hospitais manteve-se igual a 2014, com pagamentos de 93 milhões de euros. Por outro lado, os custos com as parcerias ferroviárias desceu, sendo apenas pagos 2,2 milhões de euros à Metro Sul do Tejo.


As autoestradas representam 76% da despesa total, pelo que o peso destas PPP não conseguem contrabalançar o impacto das parcerias rodoviárias nas contas públicas.

+ notícias: País

Sindicato dos Pilotos da Aviação acusa a TAP de "milhões de erros" 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa a TAP de desperdiçar as receitas do verão com milhões de erros ao longo ano. Entre os principais problemas apontados pela estrutura está a contratação externa de serviços a várias companhias áreas, num valor superior a 200 milhões de euros.

Vida e obra de Luís Ferreira Alves: o pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal

Luís Ferreira Alves, pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal, impulsionou a evolução desta arte desde a década de 80, acarinhado e reconhecido no meio, morreu em Julho aos 84 anos.

Produtores sem alimentos para os animais depois dos incêndios destruírem as pastagens 

Vários produtores estão sem alimentos para os animais devido aos incêndios que destruiram as pastagens. A Confederação dos Agricultores de Portugal está a realizar uma campanha de recolha de alimentos. 

Só em Murça já foram entregues 20 toneladas de palha e feno.