Investigadores de Matosinhos em projeto para combater desperdício do pescado

Investigadores de Matosinhos em projeto para combater desperdício do pescado
| Norte
Porto Canal/Agências

Investigadores do Laboratório Colaborativo para a Bioeconomia Azul (B2E), em Matosinhos, integram um projeto que pretende encontrar novas ferramentas para determinar a qualidade do pescado, promovendo a segurança alimentar e combatendo o desperdício, foi revelado esta segunda-feira.

Em comunicado, o laboratório esclarece esta segunda-feira que o projeto, intitulado Vertical Fish, enfrenta “dois desafios críticos: a garantia da qualidade do pescado e a sustentabilidade na aquacultura”.

Liderado pelo grupo MC Sonae e enquadrado no Pacto da Bioeconomia Azul, o projeto é financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Com as alterações climáticas a afetarem os ecossistemas marinhos, os investigadores vão procurar “soluções inovadoras” para identificar as variações morfologias, estruturais e moleculares do pescado.

Recorrendo a ‘softwares’ de processamento de imagens e ‘kits’ de deteção rápida de alterações bioquímicas, o objetivo do projeto é “aferir a qualidade do pescado, identificando precocemente casos que comprometam a segurança alimentar”.

Tal permitirá “melhorar a qualidade” e “reduzir o desperdício do pescado”.

Citada no comunicado, a diretora de Qualidade e Investigação da MC, Ondina Afonso, salienta que o projeto pretende "tornar mais eficiente o processo de avaliação da qualidade do pescado e otimizar as metodologias de rastreabilidade da origem e ao longo de toda a cadeia de valor".

Numa primeira fase, o projeto irá analisar detalhadamente os dados por forma a identificar potenciais causas e os problemas que afetam a qualidade do pescado. Posteriormente, vão ser usadas metodologias de rastreio para detetar “práticas fraudulentas” relacionadas com a origem do pescado.

Já na fase final está previsto o desenvolvimento de tecnologias que permitam avaliar a qualidade do pescado por imagem e com recurso a ‘software’ inteligente.

"Estas metodologias permitirão ações mais ágeis e eficazes na identificação e resolução de problemas relacionados com a segurança alimentar", salienta Ondina Afonso.

Ao longo do projeto, que termina no final de 2025, serão também desenvolvidos "sistemas modulares inovadores" tendo em vista o desperdício zero no setor da aquacultura.

Estes sistemas permitirão a "reutilização de diferentes nutrientes em várias etapas da produção, utilizando organismos de baixo nível trófico", como macroalgas e outros invertebrados, que permitirão "otimizar a eficiência produtiza, reduzir os custos operacionais e promover práticas mais sustentáveis".

Além do B2E e da Sonae MC, o projeto conta com a participação de várias empresas, universidades e centros de investigação, como o A4F, SA - Algae for Future, o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, INESC-TEC, Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Neadvance, Seaentia, Universidade de Aveiro e Universidade do Minho.

+ notícias: Norte

Chamas consomem apartamento e deixam família desalojada em Matosinhos

Duas pessoas ficaram desalojadas após um incêndio num apartamento em São Mamede de Infesta, Matosinhos, que obrigou ainda à evacuação do prédio, na noite desta terça-feira.

Mulher agredida por marido com martelo e facada no pescoço em Gaia

Uma mulher com cerca de 60 anos foi agredida pelo marido, na manhã desta quarta-feira, com uma facada no pescoço em Vilar de Andorinho, Vila Nova de Gaia. Vítima terá sido ainda agredida com um martelo.

Condutora morre após colidir contra poste de eletricidade em Paredes

Uma mulher com cerca de 70 anos faleceu, na manhã desta quarta-feira, após ter-se despistado contra um poste de eletricidade na freguesia de Vilela, no concelho de Paredes.