Seis pessoas acusadas de contrafação de produtos têxteis em Fafe e Guimarães

Seis pessoas acusadas de contrafação de produtos têxteis em Fafe e Guimarães
| Norte
Porto Canal/Agências

O Ministério Público (MP) acusou seis arguidos de contrafação, de branqueamento e de outros crimes cometidos, alegadamente, no fabrico e comercialização de produtos têxteis, desde os concelhos de Fafe e de Guimarães, distrito de Braga, foi esta terça-feira anunciado.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto (PGDP) refere que os seis arguidos, três homens e três mulheres, incluindo uma família, estão acusados de venda ou ocultação de produtos, de contrafação, imitação e uso ilegal de marca, de fraude sobre mercadorias e de branqueamento, no âmbito do circuito de fabrico e comercialização de produtos contrafeitos.

Segundo a PGDP, o MP considerou indiciado que o principal arguido, pelo menos, entre março de 2020 e dezembro de 2021, “fabricou e comercializou produtos têxteis contrafeitos, nos quais eram apostas marcas de renome internacional, à revelia destas, para venda como se de produto genuíno se tratasse”.

“Para tal, mais indiciou o Ministério Público, este arguido serviu-se de uma empresa de confeção em Fafe, explorada por uma das arguidas, e de serviços de embalamento que lhe eram prestados por outro arguido e outra arguida, em Azurém, Guimarães”, sustenta a acusação.

Segundo o MP, o principal arguido está acusado de branqueamento por ter, alegadamente, adquirido “produtos de elevado valor convertendo em bens os proventos desta atividade a que se dedicava”.

Além disso, este arguido está também acusado de, em 2 e 3 de dezembro de 2021, “em conjunto com um arguido e uma arguida, seus filhos, ter posto em marcha um plano de retirar de uma casa, em Guimarães, pelo menos 55 mil euros provenientes da mesma atividade, para os subtrair à ação das buscas policiais que estavam em marcha e à consequente e provável apreensão pelas entidades policiais”.

O MP liquidou a título de património incongruente do principal arguido quase 246 mil euros, declarados perdidos a favor do Estado.

A acusação foi proferida em 11 de março e esteve a cargo do MP no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) da Procuradoria da República de Braga (Guimarães, 2.ª secção).

+ notícias: Norte

“Fui ao mar buscar água para lavar a louça”. 14 pessoas vivem sem água e luz no parque de campismo de Cortegaça

Sem acesso a água potável e eletricidade. É assim que 14 pessoas ainda vivem no parque de campismo de Cortegaça, no concelho de Ovar. Dívidas contraídas pela anterior gestão da infraestrutura estão na origem de um problema cuja solução, mais de meio ano depois, poderá chegar já no final do mês de abril.

Homem desaparecido há mais de um mês encontrado morto em habitação devoluta em Braga

Um cadáver foi encontrado, na tarde desta quinta-feira, no interior de uma habitação devoluta na Rua Cidade do Porto, em Braga. 

Vítima encarcerada após despiste na A28

O despiste de um veículo ligeiro, na A28, na saída de Outeiro, em Viana do Castelo, deixou na tarde desta quinta-feira, uma mulher de 45 anos encarcerada.