Montenegro volta a rejeitar acordos com Chega e Ventura acusa-o de irresponsabilidade

Montenegro volta a rejeitar acordos com Chega e Ventura acusa-o de irresponsabilidade
| Política
Porto Canal / Agências

O presidente do PSD voltou esta segunda-feira a recusar entendimentos com o Chega, com André Ventura a acusá-lo de irresponsabilidade e de deixar o país “no colo do PS” e na instabilidade política.

O frente a frente entre Luís Montenegro e André Ventura na RTP para as legislativas antecipadas de 10 de março prolongou-se esta segunda-feira por quase 40 minutos, com a primeira parte dominada pelos cenários de governação pós-eleições.

O líder da Aliança Democrática (que integra PSD, CDS-PP e PPM) nunca respondeu se viabilizará um Governo minoritário do PS, dizendo que não está a “trabalhar num cenário de derrota” e que até está a “lutar por uma maioria absoluta”.

Luís Montenegro fez questão de usar os primeiros minutos do debate para repetir que só governará se vencer as eleições e que não fará “nenhum entendimento político” com o Chega, apontando três razões principais para esta posição.

Em primeiro lugar, disse, “por uma questão de princípio”, recusando associar o PSD a “alguém que tem políticas e opiniões populistas, racistas, xenófobas e excessivamente demagógicas”; em segundo, “por decência política”, lamentando que Ventura tenha dito, ainda no domingo, que o PSD “era uma prostitua política”.

“Isto é o grau zero da política, não pactuo com esta linguagem”, disse, apontando, como terceira razão, a irresponsabilidade do programa eleitoral do Chega, cujas principais medidas estimou custarem mais de 25 mil milhões de euros.

Na resposta, André Ventura considerou que a recusa de Montenegro em dizer que não viabilizará um Governo minoritário do PS significa que o vai fazer, mesmo que haja uma maioria parlamentar de direita.

“Está a prejudicar o país, está a ser o idiota útil da esquerda. É a direita de que a esquerda gosta, não se coliga com ninguém e nunca terá maioria, a esquerda terá via verde para chegar ao poder”, acusou.

Questionado se o Chega estará disposto, ainda que sem acordos, a viabilizar um governo minoritário do PSD para impedir o PS de governar, Ventura manifestou-se apenas “disponível para conversar”.

“O Chega está disponível para uma convergência para que o PS não governe. Outro partido arrogantemente diz que não, se o PSD não quiser conversar assumirá o ónus dessa irresponsabilidade e da instabilidade”, acusou.

Ventura acusou Montenegro de, na Madeira, se ter aliado ao PAN, um partido que também considera fundamentalista, apenas para se manter no poder e de, nos Açores, ter tentado primeiro um acordo com o PS que “os mandou dar uma volta”.

“A arrogância em política normalmente corre mal”, avisou, sugerindo que o Chega poderia ficar à frente do PSD nas próximas legislativas.

Montenegro respondeu que “quem muda muitas vezes de opinião é André Ventura” e que as sondagens mais recentes apontam para uma tendência de crescimento da AD.

“Estamos a lutar pela maioria absoluta (…) O Chega terá um dia ocasião, se a AD não tiver maioria absoluta, para se aliar ao PS para inviabilizar a governação, é isso que está em cima da mesa”, defendeu Montenegro.

Perante a insistência de Ventura de que “ficou claro” que o PSD “vai sustentar o Governo do PS”, Montenegro respondeu que “quem responde a isso é o próprio PS”.

“Mas eu vou discutir isso é com o PS, não é consigo”, afirmou, defendendo que só ele e o líder socialista, Pedro Nuno Santos, são candidatos a primeiro-ministro.

+ notícias: Política

Durão Barroso: "Não temos de pedir desculpa" mas "ter orgulho no que fizemos" no período da "troika"

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defendeu, esta sexta-feira, que o PSD e o CDS-PP não têm de pedir desculpa, mas ter orgulho no que fizeram no Governo “com sentido patriótico” no período da “troika”.

Nuno Melo apela ao voto em…Pedro Nuno Santos

Na noite desta sexta-feira, durante um comício em Santa Maria da Feira, Nuno Melo, o líder do CDS-PP e parceiro da coligação de Luís Montenegro enganou-se no seu discurso e apelou ao voto em Pedro Nuno Santos nas eleições legislativas de 10 de março.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.