Pedro Nuno ataca “aventura” da “magia fiscal” da Iniciativa Liberal e Rui Rocha diz que PS é “mais do mesmo”

Pedro Nuno ataca “aventura” da “magia fiscal” da Iniciativa Liberal e Rui Rocha diz que PS é “mais do mesmo”
| Política
Porto Canal/Agências

O secretário-geral do PS considerou esta segunda-feira que a Iniciativa Liberal propõe “magia fiscal”, “aventura” que conduziria o país à austeridade, enquanto o líder da IL acusou os socialistas de pretenderem “mais do mesmo” na economia ou saúde.

Esta troca de críticas entre Pedro Nuno Santos e Rui Rocha aconteceu na SIC, no primeiro debate entre líderes de partidos com assento parlamentar antes das eleições legislativas antecipadas de 10 de março.

Num dos primeiros temas do frente-a-frente, o da economia, o líder socialista pegou nas propostas de choque fiscal defendidas pela IL, dizendo que, se fossem concretizadas, representariam menos cerca de nove mil milhões de euros em receitas do Estado, o que criaria “um rombo” nas contas públicas.

“A IL propõe-nos uma redução radical e aventureira dos impostos. Não sei se a IL fez as contas”, afirmou.

Depois de pedidos de Pedro Nuno Santos para que clarificasse o custo dessa redução de impostos, que caracterizou como “magia fiscal”, Rui Rocha rejeitou o custo apontado pelo seu adversário no debate. Mais à frente, contrapôs que a diminuição estimada de receita seria na ordem dos quatro ou cinco mil milhões de euros por ano.

“Aventureiro é quem insiste em soluções iguais”, reagiu o líder liberal, apontando, neste contexto, dados segundo os quais o desemprego jovem atinge os 23%. O presidente da IL sustentou também que os cidadãos dos escalões etários mais novos são forçados a emigrar num país com uma carga fiscal muito elevada.

Pedro Nuno Santos e Rui Rocha voltaram a apresentar visões opostas, na segunda parte do debate, sobre saúde, com o secretário-geral do PS a admitir problemas no SNS e defender a sua reforma, mas não um desinvestimento a favor de contratualização com o setor privado – perspetiva que atribuiu aos liberais.

“Querem um rombo nas contas públicas e depois ainda querem passar cheques”, comentou, dirigindo-se a Rui Rocha.

Rui Rocha contra-atacou com episódios em que cidadãos idosos estão horas de madrugada em filas para marcar uma consulta num centro de saúde, ou de grávidas que encontram o seu serviço de urgência encerrado, factos que, segundo ele, provam que o atual modelo não funciona.

Defendeu que países com governos liberais têm boas soluções para a saúde e que, no caso de insuficiência de resposta por parte do Estado, deverão ser contratualizados serviços no privado ou no setor social.

Já na parte final do debate, quando o secretário-geral do PS não dispunha de tempo para responder, o presidente da IL acusou Pedro Nuno Santos de ter sido “incompetente” enquanto ministro que tutelou os setores da habitação e das infraestruturas, falando na injeção de 3,2 mil milhões de euros na TAP “sem retorno para os contribuintes” e de não ter feito avanços em novos troços ferroviários.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.