Tribunal de Contas concede visto prévio ao "acordo da água" em Barcelos

Tribunal de Contas concede visto prévio ao "acordo da água" em Barcelos
| Norte
Porto Canal / Agências

O Tribunal de Contas (TdC) concedeu visto prévio ao terceiro aditamento ao contrato de concessão e exploração da água e saneamento de Barcelos, que livra o município, no distrito de Braga, de pagar 214 milhões de euros à concessionária.

Por decisão de 12 de dezembro, a que a Lusa teve esta quinta-feira acesso, o TdC pronuncia-se, sobretudo, sobre a prorrogação por mais 20 anos do contrato de concessão, cuja legalidade tinha sido questionada pela entidade reguladora (ERSAR).

O TdC diz que, em regra, por aplicação da necessidade de adaptação do contrato aos termos do novo regime, a prorrogação não deveria ser admitida, mas sublinha que, neste caso, deve ser aberta uma exceção, uma vez que a recusa “colocaria o município em sérias dificuldades financeiras, conduzindo-o à insolvência”.

O terceiro aditamento acordo prevê o alargamento da concessão por mais 20 anos e ainda o pagamento, por parte do município, de 18 milhões de euros à concessionária, a Águas de Barcelos (AdB).

Com este acordo, o município livra-se de pagar uma indemnização de 172 milhões de euros à AdB, decretada por um tribunal arbitral para reposição do equilíbrio financeiro da empresa e que neste momento, com juros, já ascende a 214 milhões de euros.

Para o TdC, a alteração contratual consubstanciada com este aditamento “é tão extensa, e atinge de tal forma os elementos marcantes do contrato, que está muito próxima de configurar um verdadeiro novo contrato de concessão”.

“O município, em verdadeiro estado de necessidade, recorre à alteração do contrato para evitar a sua insolvência e as gravíssimas consequências que tal acarreta”, sublinha.

O tribunal diz ainda que o período de mora, entre a data condenação e os dias de hoje, levou a um “forte agravamento” dos encargos financeiros do município.

Assim, e considerando haver “indícios de responsabilidade financeira”, o TdC decidiu remeter a presente decisão ao departamento de fiscalização concomitante, para apuramento dessas eventuais responsabilidades.

A água e o saneamento do concelho de Barcelos foram concessionados em 2004, por 30 anos, à AdB, quando a Câmara era liderada pelo PSD.

Entretanto, e por os consumos ficarem muito aquém do previsto, a AdB requereu, em 2009, a reposição do reequilíbrio financeiro, implicando “um aumento substancial nos tarifários (38%) e uma indemnização financeira em cerca de 25 milhões de euros”.

Em 2009, a Câmara passou para as mãos do PS, que ao longo de 12 anos tentou primeiro o resgate da concessão, por 87 milhões de euros, e depois a aquisição de 49%, por cerca de 60 milhões.

Ambos os negócios foram aprovados pela Assembleia Municipal mas nenhum se concretizou.

Em 2021, a Câmara voltou novamente para as mãos do PSD, que ganhou as eleições em coligação com o CDS-PP e o movimento Barcelos, Terra de Futuro, e que chegou a um acordo com a AdB, eliminando assim a condenação do tribunal arbitral.

+ notícias: Norte

Matosinhos e CCDR-N querem abrir ao público Quinta de São Gens

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e a Câmara de Matosinhos querem abrir ao público a Casa e Quinta de São Gens, em Matosinhos, como um Parque de Natureza e Cultura, anunciaram esta quarta-feira.

Vai nascer laboratório de investigação no antigo Raf Park em Matosinhos

A Câmara de Matosinhos quer construir um laboratório de investigação ambiental e agrícola, no local onde estava situado o antigo Raf Park, em Santa Cruz do Bispo.

Já há cinco praias no Norte com vigilância fora de época. Federação estende apelo a todo o país

A Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores insiste para que a vigilância nas praias se estenda para além da época balnear, em todo o país.