Ministra da Presidência não vai apoiar nenhuma candidatura à liderança do PS

Ministra da Presidência não vai apoiar nenhuma candidatura à liderança do PS
Foto: Porto Canal
| Política
Porto Canal

A atual ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva afirmou, esta quarta-feira, em entrevista à Antena 1 que não vai prestar apoio a nenhuma das candidaturas do partido socialista (PS), que vão substituir António Costa.

"Sabendo que na política temos a regra de rei morto, rei posto, mas tendo em conta a intensidade e a surpresa com que este momento chega, a minha decisão é de não apoiar nenhuma das candidaturas", destacou à rádio pública.

A governante salientou também que manifestar o apoio a uma candidatura para um partido político “implica uma vinculação e uma dedicação a um determinado programa que, neste momento, para mim não faz sentido”, porque “tenho uma vinculação muito forte ao programa que ainda estamos a cumprir.

A ministra confessou ainda ter uma forte ligação ao primeiro-ministro demissionário, António Costa, e ao seu Governo. "Não considero que o virar de uma página que durou nove anos da minha vida deva ser feito com esta rapidez", vincou à mesma fonte. 

 

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.