Falência da Efacec custaria ao Estado entre 60 a 65 milhões de euros, afirma ministro da Economia

Falência da Efacec custaria ao Estado entre 60 a 65 milhões de euros, afirma ministro da Economia
| País
Porto Canal/Agências

O ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, estimou esta segunda-feira que a falência da Efacec custaria ao Estado entre 60 a 65 milhões de euros por ano, entre subsídios de desemprego e perdas de contribuições sociais.

António Costa Silva falava numa audição parlamentar conjunta da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) e da Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2024 (OE2024).

“Fizemos as contas para avaliar o que eram os subsídios se a EFACEC falisse, quais eram os custos para o Estado português, para cerca de dois mil trabalhadores, metade dos quais têm formação superior”, explicou.

Segundo o ministro, tal “significava pagar por mês, entre 1,7 a dois milhões de euros para o subsídio de desemprego, o que daria cerca de 20 a 25 milhões [de euros] por ano”, a que acresceriam “as contribuições que a empresa faz e não eram recebidas”, que corresponderiam a “3,3 milhões por mês, o que daria cerca de 40 milhões [de euros] por ano”.

Para Costa Silva estes números ilustram o quão “importante” é a “empresa estar a funcionar” e a criar valor.

“Pelo facto da empresa estar a funcionar, o Estado recolheu em termos de IRS e contribuições para a segurança social cerca de 100 milhões de euros”, exemplificou.

O ministro da tutela sublinhou ainda que a EFACEC tem “2.800 empresas que são fornecedores”, pelo que “alimenta um ecossistema fortíssimo”.

“Pelo facto de estar a operar, a EFACEC conseguiu ganhar projetos no mercado nacional e internacional de 845 milhões de euros”, apontou.

O Estado vendeu a totalidade da Efacec (nacionalizada em 2020) ao fundo de investimento alemão Mutares, que injetará 15 milhões de euros em capital e dará garantias para empréstimos no valor de 60 milhões de euros.

No âmbito da venda, o Estado acordou injetar 160 milhões de euros na empresa e o Banco de Fomento financia em mais 35 milhões de euros, através da compra de obrigações (convertíveis em capital).

Estes valores somam-se aos 200 milhões de euros que o Estado já tinha injetado na empresa nos últimos 20 meses (para pagar custos fixos, desde logo salários).

Em abril, a Parpública anunciou ter recebido propostas vinculativas melhoradas de quatro candidatos à compra de 71,73% da Efacec, no âmbito do processo de reprivatização da empresa.

A Efacec, que tem sede em Matosinhos, conta com cerca de 2.000 trabalhadores.

+ notícias: País

Vinte e quatro vítimas de abuso querem indemnização da Igreja Católica

O grupo Vita recebeu até ao momento 24 pedidos de indemnização financeira, por danos sofridos, de vítimas de abuso sexual no seio da Igreja Católica em Portugal, iniciando na terça-feira um roteiro pelas dioceses do país, foi este domingo anunciado.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.