Chega promete candidato presidencial próprio se opções forem Marques Mendes e Santos Silva

Chega promete candidato presidencial próprio se opções forem Marques Mendes e Santos Silva
| Política
Porto Canal/Agências

O presidente do Chega, André Ventura, prometeu esta sgunda-feira que o partido terá um candidato próprio nas eleições presidenciais de 2026 caso as opções sejam Luís Marques Mendes e Augusto Santos Silva, considerando tratar-se de “legítima defesa”.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma iniciativa sobre problemas de habitação e pessoas sem-abrigo em Lisboa, André Ventura quis comentar a possibilidade admitida no domingo à noite por Marques Mendes de ser candidato a Presidente da República.

A concretizar-se este avanço do ex-líder do PSD, o presidente do Chega considerou que existe a possibilidade de concorrerem às presidenciais de 2026 dois “inimigos declarados do Chega”: o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, à esquerda, e o ex-líder do PSD Luís Marques Mendes, à direita.

“Queria dizer sem margem para dúvidas, sem segundas voltas e sem irrevogáveis: se este for o cenário das eleições presidenciais, o Chega terá novamente um candidato presidencial e procuraremos quebrar o domínio destas duas personalidades, que não são boas para a democracia e para Portugal”, disse.

Ventura não quis concretizar se poderá ser ele próprio o candidato, como aconteceu em 2021 – “poderá ser ou poderá não ser” – e deixou em aberto a possibilidade de o Chega apoiar um candidato de ou outro partido à direita, dependendo de quem fosse, dizendo apenas “ter respeito” por Paulo Portas, mas duvidando de que o antigo líder do CDS-PP avance para Belém.

“Com estes dois candidatos, sei o que dizem e pensam do Chega, e a dificuldade que poderiam criar nomeadamente à participação do Chega num Governo constitucional”, insistiu, considerando que quer Santos Silva quer Marques Mendes seriam “de longe” piores Presidentes do que o atual chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado se uma fragmentação à direita não poderia beneficiar o candidato presidencial da esquerda, André Ventura disse estar convicto de que serão eleições muito disputadas e com uma segunda volta.

“Os eleitores à direta terão de escolher se preferem ter o candidato do Chega ou Luís Marques Mendes (…) A nossa batalha é à direita, e queremos ter uma candidatura que impeça que Luís Marques Mendes chegue à segunda volta e que impeça que Marques Mendes ou Santos Silva possam ser Presidentes da República”, frisou.

No seu comentário televisivo na SIC, no domingo à noite, o ex-presidente do PSD Luís Marques Mendes admitiu uma candidatura presidencial “se houver utilidade para o país” e “um mínimo de condições para avançar”, rejeitando ter qualquer decisão neste momento ou acordo com o líder social-democrata, Luís Montenegro.

“Se eu um dia achar que com uma candidatura à Presidência da República posso ser útil ao país – é isso que conta -, se vir que tem alguma utilidade para o país uma candidatura minha e um mínimo de condições para se concretizar, sou franco, tomarei essa decisão, independentemente de acordo ou não acordo”, afirmou.

O antigo líder parlamentar frisou que se trata de “uma decisão livre, pessoal e individual”.

“Insisto: se houver utilidade para o país e um mínimo de condições, se não houver estes requisitos não haverá decisão nenhuma e também está tudo bem”, disse Mendes, considerando que “é uma decisão muito pesada” e salientando faltar “uma eternidade” para as presidenciais de janeiro de 2026.

+ notícias: Política

Após polémica, adjunta do ministro das Finanças recua e decide não assumir funções

Patrícia Dantas recua e não vai assumir funções de adjunta do ministro das Finanças, de acordo com nota enviada pelo gabinete do Ministro das Finanças.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".