JMJ. Costa desvaloriza custos da organização e aponta "retorno económico imediato"

| Política
Porto Canal / Agências

O primeiro-ministro frisou esta segunda-feira que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que arranca na terça-feira em Lisboa, vai ter um retorno económico imediato, desvalorizando os custos associados à sua organização.

“O evento tem em si quer um efeito catalisador, quer um efeito de retorno imediato. Retorno imediato porque estas centenas de milhares de pessoas que vieram a Portugal para este evento são pessoas que estão a consumir nos restaurantes, nos cafés, estão a instalar-se nos diferentes estabelecimentos da hotelaria, estão a circular nos nossos meios de transporte e, porventura, irão comprar mais alguma coisa”, disse António Costa durante uma visita ao recinto da JMJ.

Além deste retorno económico imediato e da transformação do território, o líder do executivo apontou ainda o reconhecimento e a “projeção inimaginável” que o país vai ter através da divulgação, pelos diferentes órgãos de comunicação social, “da beleza, do potencial e da capacidade de organização” do país.

“Eventos desta natureza dão uma projeção inimaginável ao país que não se reflete logo nas contas do ano, propriamente dito”, vincou.

Segundo Costa, “os frutos desta jornada” prolongar-se-ão ao longo do tempo.

+ notícias: Política

Após polémica, adjunta do ministro das Finanças recua e decide não assumir funções

Patrícia Dantas recua e não vai assumir funções de adjunta do ministro das Finanças, de acordo com nota enviada pelo gabinete do Ministro das Finanças.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".