Ministério da Defesa orçamentou despesa em nome de Capitão Ferreira antes de concurso

Ministério da Defesa orçamentou despesa em nome de Capitão Ferreira antes de concurso
| Política
Porto Canal

A Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN) já tinha a despesa orçamentada em nome de Marco Capitão Ferreira antes de concurso por convite a três juristas.

A informação é avançada, esta quinta-feira, pelo Correio da Manhã, que adianta que, na véspera de o Ministério da Defesa convidar três juristas a apresentarem propostas para assessorar a negociação do contrato de manutenção dos helicópteros EH-101, a DGRDN já tinha a despesa orçamentada em nome de Marco Capitão Ferreira, um dos três juristas a quem foram enviados os convites. 

Recorde-se que, alegadamente, o ex-secretário de estado da defesa – entretanto constituído arguido por corrupção e participação económica em negócio, após pedir demissão do cargo – ganhou 61.500 euros em cinco dias através desse contrato, cujo prazo de execução era de 60 dias.

A cabimentação desta verba está prevista num documento do Ministério da Defesa datado de 1 de março e nele prevê-se já que o pagamento será feito a Capitão Ferreira no dia 30 de março. 

A DGRDN enviu ao convite dos três juristas, em 7 de março. No dia seguinte, Capitão Ferreira respondeu e apresentou o preço de 50 mil euros, sem IVA.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.