Montenegro acusa Costa de estar a "viver na lua" quando afirma que país está melhor

| Política
Porto Canal/Agências

O presidente do PSD, Luís Montenegro, acusou este domingo o primeiro-ministro, António Costa, de estar a “viver na lua” quando afirma que o “país está melhor” e que as “pessoas também estão melhores”.

“Esta semana, o doutor António Costa, no debate do estado da nação, vejam bem, foi ao parlamento dizer que o país está melhor e que as pessoas também estão melhor. Onde é que vive o doutor António Costa? Só se ele estivesse a falar da Madeira”, afirmou Luís Montenegro.

O líder social-democrata falava na festa anual do PSD/Madeira, que decorre no Chão da Lagoa, nos arredores do Funchal, perante milhares de pessoas concentradas em frente ao palco com bandeiras e a entoar cânticos como “Montenegro olé, Montenegro olé” e “Nós só queremos Montenegro a presidente”.

“Como é que o doutor António Costa pode dizer que as pessoas vivem melhor quando mais de um milhão e meio de portugueses não têm médico de família, quando muitos querem ir ao hospital e ao centro de saúde e ficam à porta?”, questionou Luís Montenegro, enumerando um conjunto de problemas com os quais os portugueses se confrontam diariamente.

“Qual é o país onde vive o doutor António Costa? O doutor António Costa está a viver na lua. O doutor António Costa e o Partido Socialista estão a viver na lua. Mas se nós temos um Governo a viver na lua, o melhor que temos a fazer a esse governo é pô-lo na rua”, declarou.

Para o presidente do PSD, se, por um lado, na Madeira, o Governo Regional (PSD/CDS-PP) e o seu líder, Miguel Albuquerque, “merecem continuar a governar”, no país “o Governo socialista e o primeiro-ministro, António Costa, já estão a mais”.

“Temos um Governo à deriva e temos um PSD ser a cada vez mais a alternativa. Alternativa, porque nós, portugueses, não nos podemos conformar com um país onde pagamos impostos máximos e recebemos em troca serviços públicos mínimos”, argumentou.

Luís Montenegro acrescentou que o seu partido quer “muito mais para Portugal” e não quer um país “que está na cauda da Europa” e onde “os jovens têm de emigrar na busca de uma oportunidade”.

“Nós queremos um Portugal onde haja mais criação de riqueza e onde se paguem mais salários, para que os nossos jovens possam ter uma oportunidade sem terem de emigrar para o estrangeiro. É esse Portugal que nós queremos, é esse Portugal que se constrói aqui na Madeira”, sublinhou.

E reforçou: “Eu quero que vocês sejam felizes, eu quero que os portugueses sejam felizes, mas para isso precisamos de mudar de Governo. Na Madeira vamos votar PSD, vamos ter uma maioria e, a seguir, vamos mesmo, como vocês estavam a dizer, por o Montenegro em São Bento, porque o Montenegro vai mesmo para São Bento com o vosso apoio e com a vossa ajuda”.

O presidente do PSD manifestou ainda confiança na vitória, com maioria absoluta, da coligação PSD/CDS-PP nas próximas eleições legislativas regionais, marcadas para 24 de setembro, pedindo a mobilização de todos os apoiantes e militantes.

“Nós temos na Madeira um grande Governo e um grande líder, Miguel Albuquerque. […] Para quê aventuras, para quê experimentar este socialismo que mostra, no resto do país, que não é capaz de colocar ao serviço do povo o exercício das funções de governo?”, questionou.

Luís Montenegro teceu ainda um conjunto de elogios a Miguel Albuquerque, considerando que é um homem “sério”, “competente”, com “visão” e “o líder certo” para continuar à frente do executivo madeirense.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.