"Parece que se estão a preparar respostas" critica Montenegro sobre silêncio de Mendonça Mendes

"Parece que se estão a preparar respostas" critica Montenegro sobre silêncio de Mendonça Mendes
| Política
Porto Canal / Agências

O presidente do PSD considerou que o silêncio do secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro sobre o SIS “veio avolumar mais as dúvidas” e afirmou que “parece que se estão a preparar respostas para que tudo encaixe”.

“Creio que o secretário de Estado adjunto [do primeiro-ministro, António Mendonça Mendes], independentemente do que possa vir a dizer em sede parlamentar, já poderia ter contribuído para o esclarecimento, mas só veio avolumar ainda mais a dúvidas, parece que se estão a preparar respostas para que tudo encaixe”, considerou Luís Montenegro.

O líder social-democrata falava aos jornalistas depois de ter estado reunido cerca de uma hora com uma delegação da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP), na sede do partido, em Lisboa.

“O que posso anotar como observador é que quanto mais as histórias se querem encaixar, mais elas se desencaixam e aparecem de forma contraditória no espaço público”, salientou.

O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro – que poderá ter de ir ao parlamento a uma audição sobre o tema - tem recusado responder a perguntas sobre a atuação do SIS na recuperação do computador de um ex-adjunto do ministro das Infraestruturas, depois de João Galamba ter afirmado, na sua audição na comissão de inquérito à TAP, este mês, que quem lhe disse, em 26 de abril, para contactar os serviços de informações foi Mendonça Mendes.

Montenegro adiantou ainda que está a ser ultimado o requerimento anunciado pelo presidente do PSD em entrevista à RTP, para que o primeiro-ministro, António Costa, explique a atuação dos serviços de informações neste caso, e enumerou algumas das questões que constarão do documento.

“Quem foi efetivamente que acionou a diligência dos serviços de informação; quem é que dentro do Governo fez essa interação e acompanhou o desenvolvimento dessa operação; porque é que a PSP e a PJ não tomaram elas próprias a iniciativa de chamar os serviços [de informações], se havia necessidade e enquadramento legal para essa chamada”, referiu.

O presidente social-democrata quer ainda saber, “de uma vez por todas, o que é que foi dito aos serviços de informações”.

“Foi dito que houve um roubo no Ministério das Infraestruturas ou não? O primeiro-ministro e o ministro das Infraestruturas, quando falaram ao país, sabiam ou não qual o enquadramento daquela situação?”, questionou.

Para Luís Montenegro, “o país não pode conviver com serviços que atuam numa zona muito sensível, que envolve secretismo, se não se souber que isso ocorre dentro da legalidade e sem nenhum tipo de abuso face ao que são as determinações e as condicionantes legais”.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.