Luís Montenegro não considera mau resultado perder europeias por 2 ou 3 pontos

Luís Montenegro não considera mau resultado perder europeias por 2 ou 3 pontos
| Política
Porto Canal/Agências

O presidente do PSD considerou esta segunda-feira que perder as europeias por dois ou três pontos percentuais não será um mau resultado e assegurou que uma derrota não conduz necessariamente à sua demissão.

“Não tem só a ver com ganhar ou perder, depende. O PSD perdeu as últimas eleições europeias por 12 pontos percentuais, se o PSD ficar a dois ou três pontos acha que é um mau resultado? Eu não acho, mas não é esse o resultado que quero”, afirmou Luís Montenegro, em entrevista à RTP.

O líder social-democrata reiterou estar a trabalhar para vencer as europeias do próximo ano – tal como, antes, as regionais na Madeira, no outono –, mas recusou que uma derrota signifique automaticamente a sua demissão.

“Não vou dizer-lhe que um insucesso eleitoral nas eleições europeias conduz necessariamente à minha cessação de funções, com certeza que não”, disse, considerando que tal dependerá de uma “avaliação política” dos dois anos de mandato.

“Se tiver a convicção de que estou no caminho certo, de que vamos atingir o objetivo – ser Governo – qualquer que seja o resultado eu continuarei à frente do PSD”, acrescentou, numa entrevista para assinalar o seu primeiro ano de eleição, no dia 28 de maio do ano passado.

Na entrevista à RTP, Montenegro foi desafiado a clarificar se admite ou não o apoio do Chega num eventual futuro Governo, depois de, numa recente entrevista à CNN, ter dito que não fará Governo nem aceitará apoio político de partidos "racistas, nem xenófobos, nem oportunistas, nem populistas”, mas recusando posteriormente clarificar se se estava a referir em concreto ao partido liderado por André Ventura.

“Eu já respondi a essa questão, não tenho nada a acrescentar agora, e já prometi que, quando formos a votos, os portugueses não vão acordar com um Governo diferente daquele que quiseram. Eu sou muito mais claro sobre isso hoje do que é o secretário-geral do PS e do primeiro-ministro”, disse, desafiando a comunicação social a fazer as mesmas perguntas a António Costa.

Perante a insistência do jornalista – “Chega, sim ou não” - respondeu: “Eu já disse aquilo que é importante as pessoas saberem hoje sobre o meu posicionamento político e os princípios que norteiam a minha candidatura a primeiro-ministro”, afirmou, justificando a sua resposta “porque não há eleições amanhã”.

“Eu tenho a minha estratégia política e eleitoral e vou segui-la, já disse o que está excluído do meu projeto político”, repetiu.

+ notícias: Política

Quem é Elisabete Sousa, a “candidata-surpresa” que promete baralhar as eleições?

Na Via Norte, na Maia, foi colocado um cartaz com o slogan “Elisabete Sousa ‘24. Por um Portugal onde o ordenado mínimo são €5.000!”. Apesar de não ser feito um apelo direto ao voto, milhares de automobilistas que por ali passam terão já assumido estar perante uma candidatura às eleições legislativas de 10 de março. Mas Elisabete Sousa não vai figurar nos boletins de voto onde os portugueses vão escolher os seus representantes na Assembleia da República, não fosse ela na realidade uma personagem criada por uma conta paródia na rede social X. Os outdoors foram colocados na Avenida AEP e outros locais do Porto, bem como em Lisboa.

MP pede condenação de Ana Gomes por acusar Mário Ferreira de narcotráfico

O Ministério Publico pediu esta terça-feira a condenação da ex-eurodeputada Ana Gomes por difamação, dando como provado que a ex-diplomata acusou Mário Ferreira de estar ligado ao narcotráfico numa publicação numa rede social.

Paulo Raimundo diz que problemas da função pública não serão resolvidos por PS nem Direita

O secretário-geral do PCP denunciou esta terça-feira, em Palmela, a "falta de reconhecimento" dos trabalhadores da administração pública e considerou que a solução para os problemas destes profissionais não passa pelo PS ou pela direita