Santos Silva alerta para contaminação populista aos sistemas político e mediático

Santos Silva alerta para contaminação populista aos sistemas político e mediático
| Política
Porto Canal/Agências

O presidente da Assembleia da República defendeu esta sexta-feira que a expansão da extrema-direita em Portugal é limitada a médio prazo, mas alterou para riscos de uma contaminação populista, sobretudo através do emocionalismo, aos sistemas político e mediático.

Augusto Santos Silva falava na qualidade de militante socialista e deputado do PS eleito pelo círculo Fora da Europa perante uma plateia de elementos da JS, numa sessão intitulada “Jornadas pela Democracia no Século XXI”.

Tendo ao seu lado o secretário-geral da JS, Miguel Costa Matos, sem nunca falar diretamente do Chega, o ex-ministro de Estado e dos Negócios referiu que, no caso português, a sua maior preocupação não é o populismo de extrema-direita em si próprio.

“Não me parece que tenha grande capacidade de progressão em Portugal, porque alguns dos seus valores essenciais são frontalmente contrários a uma cultura de tipo humanista que está muito enraizada em Portugal. E algumas das ansiedades que fazem com que o extremismo de direita progrida em países como Itália ou França não existem em Portugal, designadamente as que dizem respeito às imigrações ou às convivências multiculturais”, sustentou.

Na sua opinião, pela História, pela geografia e pelas características da mobilidade internacional, “os portugueses estão muito habituados a serem emigrantes e a lidarem com imigrantes”.

“Seja do ponto de vista quase moral, seja do ponto de vista objetivo, não me parece que haja elevada margem de progressão para a extrema-direita populista em Portugal. Provavelmente, terão mais votos nas próximas eleições. Não sei, depende de quando elas forem e em que condições se realizarem. Mas, a médio prazo, não vejo capacidade de serem outra coisa que não um pequeno reduto na sociedade e no espaço político português”, reforçou.

O receio de Augusto Santos Silva “está em três derivações”, a primeira das quais relacionada com a hipótese de “a agenda populista xenófoba, de perseguição das minorias, de desamor ao pluralismo e de híper nacionalismo, contaminar outras forças políticas”, apontando como exemplo o conjunto de argumentos apresentados pelo PSD para votar contra a nova lei da saúde mental.

“Temo uma segunda contaminação relativamente às formas, que ainda pode ser mais grave, quando se pretende que se aceite que, doravante, possa não haver uma verdade objetivamente determinável e, portanto, os factos são matéria de opinião. Estamos aqui no domínio do absoluto desprezo pelo racionalismo”, assinalou.

Neste contexto, o presidente da Assembleia da República advertiu que “a lógica muitíssimo emocional, com a não aceitação da argumentação racional e aposta total no contacto direto com os instintos mais primários, também se pode espalhar para fora da fortaleza populista”.

“E pode espalhar-se em duas grandes direções: Não só no interior do sistema político, mas também – e sobretudo – no interior do sistema mediático. Por isso, esse perigo é ainda maior. Esta é uma mancha de óleo maior, porque estamos perante a ideia de que cada um tem as suas opiniões, cada um tem as suas devoções e emoções, e não vale a pena discutir se não na base da discussão aos berros dos comentadores de televisão ”, completou.

O ex-ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros apontou ainda um terceiro risco, que disse também atingir os socialistas europeus: “Perder as pessoas para o extremismo”. E deixou ainda avisos: O combate não pode ser feito ao eleitorado que vota extrema-direita e é um erro se esse combate for feito “ad hominem”.

“Esse tipo de personalidades [de extrema-direita] vive de focar a atenção, procurando concentrar a ribalta”, justificou.

Antes, o secretário-geral da JS avisou que a “serpente do populismo está aí”, falando num crescimento das forças antidemocráticas.

“O populismo é um vírus que tenta espalhar-se para forçadas democráticas. Por isso, a JS desafiou a JSD para se distanciar da ambiguidade estratégica seguida pelo PSD em relação ao Chega”, afirmou Miguel Costa Matos na sua breve intervenção.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.