Confederação Nacional da Agricultura acusa Governo de fazer “orelhas moucas” às preocupações dos agricultores

Confederação Nacional da Agricultura acusa Governo de fazer “orelhas moucas” às preocupações dos agricultores
| Política
Porto Canal/Agências

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) acusou esta sexta-feira o Governo de fazer “orelhas moucas” às preocupações dos agricultores ao avançar, com pressa, com o desmantelamento das direções regionais, e lamentou a conivência do ministério.

O decreto-lei que procede à conversão das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) foi esta sexta-feira publicado em Diário da República, determinando que a integração das Direções Regionais de Agricultura e Pescas (DRAP) deve acontecer em até 60 dias.

“O Governo fez orelhas moucas às preocupações da CNA e restantes organizações de agricultores. A CNA não foi ouvida em nenhuma fase que precedeu a publicação do presente decreto-lei”, defendeu, em comunicado.

A confederação criticou ainda o facto de o prazo para a integração ser de até 60 dias quando, por exemplo, para a cultura decorre até ao final de março de 2024.

Para os agricultores, “esta pressa” revela a falta de vontade política para o diálogo e confirma “o processo de desmantelamento” das DRAP.

Segundo a CNA, “não era verdade” que um dos vice-presidentes das CCDR tinha que ser da área agrícola.

O diploma em causa determina que são elegíveis para presidentes e vice-presidentes os cidadãos, acima de 18 anos, com licenciatura e capacidade eleitoral.

O presidente e os vice-presidentes são designados por resolução do Conselho de Ministros.

Em particular, um vice-presidente é eleito pelos presidentes das câmaras municipais “que integram a área geográfica abrangida pela respetiva CCDR”.

Um presidente tem ainda que ser eleito pelos membros do conselho regional, que não integrem o mesmo em representação de autarquias locais ou associações dessas autarquias, e até dois presidentes são designados “após procedimento de cooptação, mediante deliberação dos membros do conselho diretivo”.

Por outro lado, segundo a CNA, “é referida a manutenção das unidades orgânicas regionais, mas não está garantida a manutenção dos núcleos de atendimento das atuais DRAP, pondo em causa os serviços de proximidade”.

A CNA notou também que não está garantido que os funcionários das DRAP “não sejam desviados para a realização de outras tarefas”.

No documento esta sexta-feira divulgado, os agricultores referiam ainda que a forma prevista para a elaboração dos contratos-programa, que vão reger a atuação das CCDR, deixa antever um “papel muito pouco relevante” para a agricultura.

A isto soma-se um aumento da clivagem entre a “definição de políticas agrícolas e políticas florestais”.

A CNA considerou que este “é mais um passo de uma má reforma”, opondo-se assim esta política que diz ter a “inadmissível conivência” do Ministério da Agricultura.

“[…] Só com um ministério forte e único para a agricultura, florestas e desenvolvimento rural será possível articular devidamente as políticas agrícolas, florais e de desenvolvimento rural mais adequadas, potenciando o contributo da agricultura para a coesão económica e social dos territórios”, concluiu.

+ notícias: Política

Governo vai apresentar nova Lei de Finanças Locais para atualizar recursos

O Governo vai apresentar uma nova Lei de Finanças Locais para “atualizar” de forma “transparente, previsível e justa” o quadro de recursos financeiros para os municípios exercerem as novas competências em matéria de descentralização, disse, este domingo, o primeiro-ministro.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".