Turismo pode ser a solução para a recessão, diz Ministro da Economia

Turismo pode ser a solução para a recessão, diz Ministro da Economia
| Política
Porto Canal / Agências

O ministro da Economia, António Costa Silva, disse esta segunda-feira que Portugal deve diversificar as exportações e as áreas de intervenção, nomeadamente no setor do turismo, para “minimizar” o impacto de uma eventual recessão económica na Europa.

“Não podemos ter ilusões: se existir uma recessão na Alemanha, o impacto vai ser significativo em toda a Europa”, declarou, sublinhando que a aposta no setor do turismo, por exemplo, ao nível nacional é determinante.

António Costa Silva falava no Funchal, no âmbito da cerimónia de tomada de posse da delegação da Madeira da SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, na qual foi um dos oradores, sobre o tema central "O papel da Madeira na economia nacional".

“O turismo é um grande exemplo de que a diversificação pode eventualmente colmatar quebras que possam existir a partir da Alemanha ou do Reino Unido”, disse, destacando o crescimento de 30% registado este ano no número de turistas oriundos dos Estados Unidos.

“Somos país que pela sua própria História está conectado a todos os continentes do mundo. Se trabalharmos todos estes mercados de uma forma consistente é possível superar, ou pelo menos minimizar, algum desse impacto”, reforçou.

O governante socialista declarou, por outro lado, que o Ministério da Economia “não deve atrapalhar” o tecido empresarial, mas deve estar “ligado a todos os setores” para identificar os problemas e desenvolver um conjunto de políticas que “façam chegar o dinheiro o mais depressa possível às empresas”.

Na sua intervenção, António Costa Silva sublinhou a importância das regiões autónomas insulares – Madeira e Açores – no posicionamento de Portugal no mundo, realçando que “o conceito de país arquipelágico muda toda a perspetiva estratégica”.

O ministro considerou que a economia do mar vai “reformatar” o futuro das sociedades face à crise climática e disse ser fundamental o país “olhar para as infraestruturas que foram construídas na Madeira”.

“Temos de valorizar esta dimensão marítima”, reforçou.

Já o presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, mostrou toda a disponibilidade do executivo regional (PSD/CDS-PP) para colaborar com o Ministério da Economia em diversos projetos, nomeadamente nos relacionados com a transição digital, que considera essenciais para a economia da região, bem como uma “oportunidade histórica” para criar riqueza.

Albuquerque manifestou-se, por outro lado, solidário com António Costa Silva sobre a redução generalizada do IRC.

“Eu estou consigo”, disse, para logo acrescentar: “Pode inclusivamente utilizar o nosso exemplo [da Madeira] da descida de 30% do IRC para 14,8%, porque na verdade alargou a cobrança do imposto.”

Em 18 de setembro, António Costa Silva afirmou que uma redução do IRC transversal a todas as empresas seria “um sinal extremamente importante para toda a indústria” e “extremamente benéfico” face à atual crise.

“Hoje, face à crise que temos, penso que seria extremamente benéfico termos essa redução transversal e, a partir daí, ver qual é o impacto que pode ter no futuro”, disse o governante em declarações aos jornalistas à margem de uma visita às empresas portuguesas que participavam na feira de calçado MICAM, em Milão, Itália.

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.