Greve: 701 comboios suprimidos até às 18 horas

| País
Porto Canal / Agências

A greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) levou à supressão de 701 comboios da CP entre as 00:00 e as 18:00 desta quarta-feira, indicou à Lusa fonte oficial da transportadora.

Assim, no período 0:00-18:00 realizaram-se 237 comboios, que são o total de serviços mínimos previstos até esta hora”, referiu, indicando que “até ao momento, foram cumpridos na totalidade”.

“Estavam programados 938 comboios” para hoje, ou seja, foram suprimidos 701.

De acordo com a mesma fonte foram realizados 14 comboios de longo curso, 58 regionais, 114 urbanos de Lisboa e 51 urbanos do Porto.

Num comunicado divulgado, a Fectrans (Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações) recordou que os trabalhadores das empresas do grupo IP “estão hoje em greve, da qual resulta um forte impacto na circulação ferroviária de transporte de passageiros e de mercadorias”.

“É uma greve que demonstra o enorme descontentamento dos trabalhadores, que assim dão força à reivindicação sindical de aumento dos salários, que não pode continuar a ser ignorada pelo Governo”, referiu a entidade.

De acordo com a Fectrans, “no dia de hoje a circulação ferroviária ficou reduzida aos serviços mínimos e nalguns casos nem esses foram realizados na totalidade, o que demonstra a enorme adesão, superior a 80%, o que origina que nos painéis de informação, ao longo do dia, a palavra mais lida seja ‘suprimido’”.

“Da parte da Fectrans e seu sindicato no setor, o SNTSF, tudo iremos fazer, nos próximos dias, para privilegiar a solução do conflito através da negociação, que não se fará só com uma parte, é preciso que o governo/administrações demonstrem vontade, a começar já no dia 05 na reunião com o presidente da CP”, referiu na mesma nota.

A CP informou num comunicado divulgado na terça-feira que, devido a greve convocada por organizações representativas dos trabalhadores, preveem-se hoje perturbações na circulação de comboios a nível nacional.

A CP adiantou que foram "definidos os serviços mínimos que se podem consultar" no 'site' da empresa e que "aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, InterRegional e Regional, será permitido o reembolso, no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação gratuita para outro comboio da mesma categoria e na mesma classe".

Também a IP alertou, numa informação divulgada no seu 'site', que "poderão verificar-se, ao longo do dia, perturbações na circulação ferroviária".

Os trabalhadores da CP cumprem nesta quarta-feira uma greve de 24 horas, em conjunto com os trabalhadores da IP, reivindicando um prémio financeiro para mitigar os efeitos da inflação e o cumprimento do Acordo de Empresa.

Segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário, afeto à Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, a greve deve-se à "falta de respostas da administração/Governo, que não têm em conta a realidade de uma brutal desvalorização dos salários".

De acordo com uma ata disponível no 'site' da DGERT - Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, os sindicatos e a CP chegaram a acordo para o cumprimento de serviços mínimos de 25%.

+ notícias: País

Defesa de Vale e Azevedo recorre para o Tribunal Constitucional contra contumácia

A defesa de João Vale e Azevedo recorreu para o Tribunal Constitucional (TC) para contestar a declaração de contumácia que recai sobre o antigo presidente do Benfica, desde setembro de 2022, por não ter sido notificado para julgamento.

Manuel Magina da Silva reconduzido no cargo de diretor nacional da PSP

O Governo reconduziu no cargo o diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), superintendente-chefe Manuel Magina da Silva, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna (MAI).

JMJ. Valor do altar-palco "magoa todos", disse o Bispo Américo Aguiar

O presidente da Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 disse esta quinta-feira que o valor (superior a quatro milhões de euros) do altar-palco onde o Papa vai celebrar a missa final "magoa todos", admitindo eventuais correções se necessárias.