Posto de combustível em Guimarães classificado como Monumento de Interesse Público

Posto de combustível em Guimarães classificado como Monumento de Interesse Público
| Norte
Porto Canal / Agências

Um posto duplo de abastecimento de combustíveis de Covas, concelho de Guimarães, projetado pelo arquiteto Fernando Távora, foi classificado como Monumento de Interesse Público (MIP), foi esta terça-feira publicado em Diário da República (DR).

Na portaria, é descrito que esta classificação “reflete os critérios (…) relativos ao caráter matricial do bem, ao génio do respetivo criador, ao seu valor estético, técnico e material intrínseco, à sua conceção arquitetónica, urbanística e paisagística, e às circunstâncias suscetíveis de acarretarem diminuição ou perda da sua perenidade ou integridade”.

No entanto, a mesma portaria reconhece que o edifício se encontra “parcialmente adulterado”.

“Considera-se que não se encontra perdida a sua capacidade evocativa do projeto original, onde o granito local, o betão e o ferro se conjugam com a envolvente natural para compor uma obra de grande valor formal e conceptual, bem ilustrativa do alcance da obra de Fernando Távora e do seu posicionamento em relação aos desafios colocados pela arquitetura moderna”, justifica a Secretaria de Estado da Cultura.

Este duplo posto de combustível de Covas, localiza-se no lugar do Salgueiral, freguesias de Creixomil e Urgeses, no concelho de Guimarães, distrito de Braga.

A obra estava enquadrada num plano de localização de postos de abastecimento que foi encomendado pela SACOR em 1957.

Projetado entre 1959 e 1961, e concluído em 1967, é composto por dois postos implantados em parcelas fronteiras, na encosta do vale de Creixomil.

De acordo com a publicação em DR, o núcleo funcional das bombas é composto por zona de abastecimento protegida por largas palas, completada, no edifício a poente, por uma área de serviço que aproveita o declive do terreno, respeitando o seu grande potencial cenográfico.

“Os arranjos exteriores constituem, de resto, um todo indissociável dos edifícios, sendo indispensáveis para a interpretação do conjunto”, é escrito na publicação.

Esta classificação decorre por proposta da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), conforme foi publicado em DR a 08 de abril, mas o processo é já antigo.

Em março de 2015, a DGPC determinou a abertura do procedimento da classificação, tendo recebido, no ano passado, parecer favorável da Secção do Património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura.

No dia 07 de março deste ano, o diretor-geral do Património Cultural publicou o despacho de concordância.

No documento, de 2015, a DRCN justifica que, “face à possibilidade de uma intervenção [por parte da proprietária – empresa Galp Energia] e perante a proposta da Fundação Marques da Silva”, propôs a abertura do procedimento de classificação do espaço como MIP.

A DRCN dizia, então, tratar-se de “um posto duplo de abastecimento de combustível instalado na estrada da cidade de Guimarães, à margem da Estrada Nacional 15”, designada de Rodovia de Covas.

A DRCN concluiu tratar-se de “um exemplar de arquitetura, bem ilustrativo do processo conceptual e criativo do arquiteto Fernando Távora”.

“Nomeadamente de um momento em que a afirmação de modernidade e o seu posicionamento em relação aos valores da cultura e da arquitetura interacional dialogam com a necessidade de fundamentar e ancorar as suas intervenções na realidade, na especificidade dos locais, na consciência das suas condicionantes e do valor cultural e social decorrente da própria intervenção”, lê-se no texto da proposta de classificação da Fundação Marques da Silva, subscrito pela DRCN.

Fernando Távora (1923-2005) foi arquiteto, professor e ensaísta, sendo considerado como o “pai” da Escola do Porto.

+ notícias: Norte

PS quer que Casa do Douro volte a ser associação pública e de inscrição obrigatória

O PS entregou, esta semana, no Parlamento, um projeto-lei que pretende trazer de novo a Casa do Douro para a esfera pública, atribuindo-lhe novas competências e inscrição obrigatória. Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) mostra-se contra a reinstitucionalização, pedindo uma organização forte e representativa dos produtores. 

Rede de Turismo Industrial da região Porto e Norte conta com mais 15 pontos de visita

O Turismo do Porto e Norte alarga, na próxima segunda-feira, a mais 15 entidades da região a sua rede de Turismo Industrial, passando assim a incluir mais de 100 pontos de visita nessa oferta de museus, fábricas e outros equipamentos.

Aumento de 7,9% da Águas da Região de Aveiro "em conformidade com o regulador"

A empresa Águas da Região de Aveiro (AdRA) esclareceu, esta sexta-feira, que o aumento em 7,9% do tarifário da água e saneamento para 2023 “está em conformidade com a Entidade Reguladora”.