Consequências afetam mais famílias de menores rendimentos

Consequências afetam mais famílias de menores rendimentos
| País
Porto Canal / Agências

O Banco de Portugal (BdP) alerta que a inflação tem consequências mais severas para as famílias de menores rendimentos do que as de rendimento mais elevado, uma vez que para as primeiras resulta sobretudo do preço de bens essenciais.

No boletim económico de outubro, divulgado esta quinta-feira, o BdP traça um retrato sobre o impacto desigual que o aumento da inflação pode ter sobre as famílias, desagregando a composição da despesa das famílias por quintil de rendimento e escalão etário.

Na análise do regulador bancário, verifica-se que o impacto diferenciado está ligado à evolução distinta dos preços dos diversos bens e serviços e o seu peso no cabaz de consumo de cada família.

“O facto da inflação elevada estimada para as famílias de menor rendimento resultar predominantemente da evolução dos preços de bens essenciais, com procura inelástica, tem implicações mais severas que a mesma inflação para as famílias de maiores rendimentos, que reflete um maior contributo de bens e serviços cujo consumo pode ser mais facilmente substituível ou adiado”, explica o BdP.

A instituição liderada por Mário Centeno assinala também que perante um choque negativo no poder de compra, “as famílias de menores rendimentos têm uma capacidade de alisamento do consumo mais limitada, dado que possuem uma taxa de poupança mais reduzida e detêm menor riqueza”.

Apesar de verificar que até agosto, as estimativas de inflação para os vários grupos de famílias são bastante próximas, o BdP identifica, que, contudo, a dinâmica da inflação é muito diferente para cada grupo.

No caso das famílias de menor rendimento, a inflação estimada resulta, em larga medida, do aumento dos preços de bens e serviços essenciais, com o contributo dos bens alimentares e dos custos com a habitação, onde se inclui a energia, a explicar 73% da variação do custo de vida destas famílias em agosto de 2022.

Por outro lado, para as famílias de maior rendimento, o contributo da variação dos preços dos bens essenciais é de 40% para a inflação estimada, “enquanto o contributo da subida dos preços dos restaurantes e hotéis se situa em quase 25%”.

“Embora o peso da despesa em gasolina e gasóleo não seja muito diferenciado entre níveis de rendimento, as famílias nos quintis intermédios de rendimento são ligeiramente mais penalizadas pelo aumento do preço destes bens. Outras despesas incluídas na classe de transportes, com destaque para a aquisição de automóveis, têm um maior peso na despesa de famílias de maior rendimento”, aponta.

O contributo dos bens essenciais para a inflação estimada em agosto é de 46% nas famílias jovens, atingindo 64% nas famílias mais velhas. Por outro lado, o contributo dos combustíveis e das outras despesas de transporte é inferior para o escalão etário de 65 ou mais.

"As estimativas da inflação por características das famílias apresentadas [...] são importantes para avaliar os efeitos distributivos da subida dos preços e podem ser utéis para informar as políticas públicas orientadas para a mitigação do aumento do custo de vida", refere o regulador.

+ notícias: País

Notícia Porto Canal. TAP desembolsa mais de 215 mil euros em voos externos para suprimir falhas nas escalas

A TAP confirmou, esta quinta-feira, que vai alugar um avião externo durante dois dias para colmatar falhas nas escalas. A companhia aérea, que enfrenta fragilidades financeiras, vai pagar mais de 215 mil euros pelo serviço, mas garante que a operação é vantajosa. O Porto Canal sabe que deve ser contratato mais um avião, o que a confirmar-se irá aumentar os custos para mais de meio milhão de euros.

Ministra da Presidência convoca reunião com os municípios mais afetados pelo mau tempo

A Ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, convocou uma reunião para sexta-feira, às 11:30, com a Presidente da Área Metropolitana de Lisboa (AML) e com os municípios mais afetados pelo mau tempo. O objetivo é, não só por avaliar as consequências das inundações provocadas pela chuva, como também discutir a necessidade de apoios.

Marcelo considera que vai ser preciso encontrar “formas financeiras” para prever situações de intempéries

O Presidente da República considerou, esta quinta-feira, que, apesar de a situação de intempéries atual ser “uma realidade nova”, vai ser necessário “encontrar formas financeiras” para prever situações equivalentes, incluindo quando são de "ocorrência muito anómala".