Nova estrutura da proteção civil? MAI afirma que bombeiros vão cumprir, apesar de discordarem

| País
Porto Canal / Agências

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, desvalorizou este domingo a discordância da Liga dos Bombeiros quanto à integração destes operacionais na nova estrutura da proteção civil, considerando que os bombeiros irão cumprir a lei em vigor.

O ministro reagia a declarações do presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), António Nunes, que no sábado, à margem da reunião extraordinária do conselho nacional da LBP, recordou que, neste momento, os bombeiros "não se sentem confortáveis com a integração da nova estrutura da proteção civil, com os seus comandos sub-regionais, rejeitam integrar essa situação e têm a sua própria organização operacional", querendo manter-se como estão atualmente.

Em declarações aos jornalistas, em Gondomar, o ministro salientou que a LBP já afirmou no passado que discorda deste novo modelo de organização da proteção civil, mas cumprirá a lei que está em vigor.

"A Liga dos Bombeiros diz que não concordou com o modelo já no passado. O que disse foi que, em função da decisão tomada pelo Governo, cumprirá aqueles que são os seus deveres do ponto de vista do cumprimento da lei de proteção civil que está em vigor. E é a essa lei que todos têm de subordinar a sua vontade", afirmou.

Na reunião extraordinária do conselho nacional da LBP, foi aprovada a criação de zonas e setores operacionais de bombeiros, prevendo-se que as federações, no prazo de 15 dias, apresentem ao conselho executivo da Liga uma proposta de metodologia de organização das zonas e dos setores operacionais.

José Luís Carneiro destacou que uma coisa é esta organização dos bombeiros e das associações humanitárias e outra coisa é a sua integração na estrutura da proteção civil.

"Uma coisa tem a ver com a estrutura nacional da proteção civil, que tem um comando, que tem comandos regionais, que tomaram posse há muito pouco tempo. São cinco comandos regionais, e vai ter 23 subcomandos, correspondentes às comunidades intermunicipais. Isso é uma matéria de organização da Proteção Civil nacional", explicou.

"Outra matéria tem a ver como os bombeiros e as organizações humanitárias decidem organizar-se enquanto bombeiros. Isso é uma matéria da autonomia das próprias associações, naturalmente cumprindo os deveres que têm com a proteção civil do país, e com a integração naquilo que corresponde ao sistema nacional de proteção civil", acrescentou.

A reunião que a Liga realizou no sábado aconteceu após o Governo ter fixado a data de 01 de janeiro de 2023 para o fim dos 18 comandos distritais de operações e socorro (CDOS) e o início de funções dos 23 comandos sub-regionais de emergência e proteção civil, como estava previsto na lei orgânica da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), que entrou em vigor em 2019.

A LBP não aceita integrar esta nova estrutura da ANEPC, baseada nas comunidades intermunicipais, alegando que os bombeiros estão organizados e trabalham a nível distrital.

+ notícias: País

Notícia Porto Canal. TAP desembolsa mais de 215 mil euros em voos externos para suprimir falhas nas escalas

A TAP confirmou, esta quinta-feira, que vai alugar um avião externo durante dois dias para colmatar falhas nas escalas. A companhia aérea, que enfrenta fragilidades financeiras, vai pagar mais de 215 mil euros pelo serviço, mas garante que a operação é vantajosa. O Porto Canal sabe que deve ser contratato mais um avião, o que a confirmar-se irá aumentar os custos para mais de meio milhão de euros.

Ministra da Presidência convoca reunião com os municípios mais afetados pelo mau tempo

A Ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, convocou uma reunião para sexta-feira, às 11:30, com a Presidente da Área Metropolitana de Lisboa (AML) e com os municípios mais afetados pelo mau tempo. O objetivo é, não só por avaliar as consequências das inundações provocadas pela chuva, como também discutir a necessidade de apoios.

Marcelo considera que vai ser preciso encontrar “formas financeiras” para prever situações de intempéries

O Presidente da República considerou, esta quinta-feira, que, apesar de a situação de intempéries atual ser “uma realidade nova”, vai ser necessário “encontrar formas financeiras” para prever situações equivalentes, incluindo quando são de "ocorrência muito anómala".