CDU quer que Câmara do Porto corrija substituição de paragens de autocarro em curso

CDU quer que Câmara do Porto corrija substituição de paragens de autocarro em curso
| Norte
Porto Canal/ Agências

A CDU quer que a Câmara do Porto corrija a substituição dos abrigos e impeça a sua remoção enquanto não forem repostos os já retirados, defendendo que a substituição visa proporcionar "o chorudo negócio da concessão de publicidade".

Em comunicado, a CDU reivindica que a Câmara Municipal do Porto adote "medidas adequadas" para a correção do processo de substituição dos abrigos das paragens de autocarro e que impeça a "remoção de abrigos antigos enquanto não forem repostos os abrigos já retirados".

Para o partido, a substituição dos abrigos que está a decorrer na cidade "enferma de vários problemas", os quais, considera, são "reflexo das opções e características da atual maioria camarária".

"Em primeiro lugar, esta substituição não tem como objetivo fundamental melhorar as condições de conforto dos utentes dos transportes públicos, mas sim proporcionar, a privados, o chorudo negócio da concessão da publicidade na via pública na cidade do Porto", defende a CDU, dizendo que este é um "traço caracterizador da gestão" do presidente da câmara, Rui Moreira, e que o exemplo "mais expressivo" dessa gestão são as concessões de parcómetros a empresas privadas.

Contactado pela Lusa, o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, afirmou esta quarta-feira que as considerações do partido aliam "um enorme desconhecimento técnico à visão enviesada da realidade que a CDU sempre demonstra".

"Quando o negócio da publicidade, como eles o intitulam, não rendia nada ao município do Porto, a CDU esteve calada, agora que o negócio da publicidade vai render em 15 anos 30 milhões de euros ao município do Porto, a CDU acha que é uma visão deste executivo", disse, acrescentando que o concurso vai acarretar um "aumento do número de abrigos na cidade".

"Nós tínhamos, à data do lançamento do concurso, 569 abrigos e estão previstos na concessão que lançámos 650. Destes 650, estão instalados 80 dos novos abrigos e está previsto que a conclusão da instalação ocorra até fevereiro do próximo ano. A substituição de todos os abrigos da cidade demora tempo, por mais célere que esteja a ser", adiantou Pedro Baganha.

Na missiva, a CDU crítica também a forma como estas infraestruturas estão a ser substituídas, que, diz, "é demonstradora de um profundo desprezo pelo conforto dos utentes", defendendo que a mesma deveria ocorrer "abrigo a abrigo" e não "com a desmontagem dos abrigos antigos sem a sua reposição imediata".

"Fruto desta situação, há hoje, na cidade, dezenas de paragens sem qualquer abrigo, onde os utentes não se podem sentar ou recolher informações sobre os horários e percursos e sujeitos aos elementos. O que, com a aproximação das chuvas, se traduz numa verdadeira falta de respeito pelos utentes, suscetível de desincentivar o uso do transporte público", acrescenta.

Tecendo críticas à "primazia da exploração publicitária em vez do conforto dos utentes", o partido elenca uma série de exemplos que "comprovam esse pecado original", como a "peregrina ideia de, em alguns locais, se colocarem os abrigos de costas para a faixa de rodagem".

Quanto às considerações feitas pela CDU sobre os abrigos invertidos, o vereador Pedro Baganha considerou que são "ou um enorme desconhecimento técnico, ou até alguma má fé, tendo em consideração que a explicação para a instalação de alguns dos abrigos já foi dada à senhora vereadora em reunião de câmara".

Em 12 de setembro, Pedro Baganha afirmou, em resposta a uma questão levantada pela vereadora do BE durante a reunião do executivo, que as paragens de autocarro invertidas são a "melhor solução" em ruas e artérias da cidade onde os passeios são estreitos para acomodar abrigos "normais".

Em resposta à Lusa, a Câmara do Porto afirmou que a instalação dos novos abrigos tem "um cronograma flexível e que poderá ser ajustado às necessidades".

"A Câmara Municipal do Porto estará atenta e tudo fará para minimizar o impacto da intervenção", referiu.

Em 02 de setembro, o presidente executivo da Dreammedia, empresa responsável pela instalação de mobiliário urbano no centro do Porto, disse que o conceito das paragens de autocarro invertidas tem "uma lógica" e "bom senso", tendo sido solicitadas assim pela autarquia.

A Dreammedia ganhou o lote relativo ao centro do Porto do concurso público de concessão de publicidade e mobiliário urbano lançado pelo município, e no conjunto dos lotes a autarquia estima receber cerca de 37 milhões de euros.

+ notícias: Norte

Presidente da CCDR-N garante que as obras de eletrificação da Linha do Douro vão avançar

O Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, António Cunha, garantiu na manhã desta segunda-feira que as obras de eletrificação da Linha do Douro vão avançar, apesar de todos os atrasos. "É um processo que está planeado, sofreu atrasos, mas as diferentes obras estão a decorrer", disse António Cunha.

 

Bragança disponibiliza aos turistas áudio guias sobre pontos de interesse

O município de Bragança disponibiliza aos turistas nova informação através de áudio guias expositores em várias línguas para assinalar o Dia Mundial do Turismo, que se comemora na terça-feira, divulgou esta segunda-feira a autarquia.

Universidade de Coimbra e empresa criam sistema contra propagação de infeções

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) e uma empresa de Setúbal desenvolveram um novo sistema de desinfeção que pode ajudar a combater a propagação de infeções.