Quase todas as turmas sem falta de professores, faltam preencher 2,3% dos horários

Quase todas as turmas sem falta de professores, faltam preencher 2,3% dos horários
| País
Porto Canal / Agências

As turmas do próximo ano letivo têm praticamente todos os professores atribuídos, continuando por preencher apenas 2,3% dos horários, anunciou esta sexta-feira o ministro da Educação, que apontou a disciplina de Informática como a mais problemática.

"Foram pedidos 13.101 horários nesta fase e destes 97,7% tem professor atribuído", anunciou João Costa durante uma conferencia de imprensa para dar conta do resultado do concurso de professores, cujas listas de colocação nas escolas são divulgadas hoje.

Dos horários completos de 22 horas que ficaram por preencher, o ministro disse que "80% são do mesmo grupo de recrutamento de informática" e estão concentrados, na maior parte, na área metropolitana de Lisboa e na zona Oeste (Quadro de Zona Pedagógica (QZP) de Lisboa e o QZP correspondente à zona Oeste).

+ notícias: País

"O bardamerda do Seixas da Costa": do tiro a um camarada do Exército ao escândalo do Tua - as polémicas de um delfim do regime

Francisco Seixas da Costa foi condenado esta segunda-feira por difamar Sérgio Conceição. O antigo embaixador referiu-se ao técnico portista como “javardo”, na rede social Twitter, a 31 de março de 2019. Esta é apenas a última de muitas polémicas que envolveram Seixas da Costa.

Ministério ordena investigação ao caso de estudante favorecido para entrar em Medicina na Católica

Contactado pelo Porto Canal, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior afirmou que a admissão do aluno em Medicina, na Universidade Católica, por ser “descendente de beneméritos” da Instituição, está sob alçada da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que irá apurar a "legalidade da situação identificada". 

Sindicato dos Guardas prisionais acusa Direção-Geral de negar o direito à greve dos profissionais

A Direção-Geral dos Serviços Prisionais é acusado de forçar os guardas a cumprir os serviços mínimos negando o direito à greve.