Largos dias têm 2.000 jogos. Pinto da Costa atinge marco histórico no FC Porto - Marítimo

Largos dias têm 2.000 jogos. Pinto da Costa atinge marco histórico no FC Porto - Marítimo
| Desporto
Porto Canal

40 anos, 66 títulos e mais de quatro mil golos festejados em dois milhares de encontros oficiais. Está é uma das muitas formas que podem ser utilizadas para resumir o legado do melhor dirigente da história do desporto rei. O embate deste sábado entre FC Porto e Marítimo, relativo à ronda de abertura da Liga 2022/23, será o 2000.º jogo da presidência de Jorge Nuno Pinto da Costa - o mais longevo e vitorioso de todos os líderes futebolísticos.

Tudo começou na Amoreira a 24 de abril de 1982. Acabado de iniciar o primeiro de 15 mandatos na véspera, o recém-empossado presidente viu o FC Porto com onze portugueses em campo e um austríaco no banco empatar a uma bola no reduto do Estoril. De então para cá muito mudou. Hermann Stessl deu lugar a Pedroto e, lado a lado com o Mestre, Pinto da Costa revolucionou por completo os destinos do clube e o panorama desportivo nacional.

A primeira das 23 Supertaças de um palmarés inigualável foi também a primeira conquista da dupla José Maria/Jorge Nuno. Prestes a completar 20 meses no cargo, o líder máximo dos Dragões ergueu o troféu a que Cândido de Oliveira deu nome em pleno Estádio da Luz após duplo triunfo por 2-1 sobre o Benfica.

Já sem o amigo por perto na primavera seguinte - entretanto falecido devido a doença -, dedicou-lhe a vitória número 1 de 14 na Taça de Portugal. 1984 foi também o ano da estreia em finais internacionais, numa decisão da Taça das Taças disputada em condições altamente adversas diante da Juventus que serviu para moldar o caráter europeu e para que o FC Porto se viesse a afirmar de uma vez por todas dentro e fora de portas.

Com um discípulo da escola Pedrotiana no lugar que António Morais ocupou provisoriamente, o azul e branco começou a pintar Portugal e o mundo. Nas Antas iam-se festejando títulos em catadupa. Campeão e Bicampeão Nacional, o FC Porto de Artur Jorge já não se satisfazia apenas com conquistas internas e por isso apontou ao topo. Alcançou o Olimpo quando soou o derradeiro apito no relvado do Prater, corriam últimos dias de maio de 1987, e repetiu-o no mesmo mês e no país vizinho 17 anos depois.

Viena e Gelsenkirchen são só duas das sete cidades que Jorge Nuno Pinto da Costa colocou no mapa de todos os portistas. À Taça dos Campeões Europeus seguiu-se a Supertaça Europeia e a Taça Intercontinental. E à fabulosa combinação Taça UEFA/Champions viria a suceder outra vitória no atual Mundial de clubes, de novo no Japão. Pelo meio, o Dragão alcançou o inédito Penta, devorou Taças e Supertaças, foi ganhando nome além-fronteiras e sendo alimentado por alguns dos melhores jogadores e treinadores que o país já viu.

Muitos saíram, outros tantos entraram, mas o portista de Cedofeita que nunca quis ser presidente manteve-se sempre fiel à missão de uma vida. Prestes a cumprir três décadas no cargo, juntou a Liga Europa a um currículo que já superava o de Santiago Bernabéu desde a viragem do milénio. Se o mítico dirigente espanhol fez do Real Madrid um colosso, o trabalho de Pinto da Costa na Invicta em nada fica atrás.

Para lá de todas as distinções e triunfos, nunca descurou o património da instituição: remodelou um estádio, construiu outro, anexou-lhe um pavilhão e um museu, criou condições para a prática das mais diversas modalidades e preocupou-se sempre em manter o FC Porto no mais elevado patamar competitivo. Quando a fartura deu lugar à fome, viu em Sérgio Conceição o aliado perfeito para recolocar o clube no trilho das glórias.

Somam oito títulos em cinco anos de parceria, tantos quanto Artur Jorge havia conseguido, e tudo fazem para que a contagem não se fique por aqui. Aos 84 anos de uma vida que se rege pelo rigor, competência, ambição e paixão, Jorge Nuno Pinto da Costa não dá sinais de abrandar nem deixa de sentir cada vitória como se fosse a primeira. Só no futebol foram 1357, e a contagem promete não ficar por aqui.

+ notícias: Desporto

PSP suspeita de No Name Boys nos desacatos em Guimarães. Investigações já estão em curso

23 portugueses foram identificados pela Polícia de Segurança Pública na sequência das perturbações na cidade por parte de adeptos do Hajduk Split. O Porto Canal avançou em primeira mão que estes portugueses se tratavam de membros da claque No Name Boys. Agora, o jornal PÚBLICO confirma que a PSP já iniciou investigações ao grupo benfiquista.

SC Tomar vai ser adversário do FC Porto na Elite Cup 

Os Campeões Nacionais de Hóquei em Patins conheceram, esta quarta-feira, o adversário para a Elite Cup: o SC Tomar. 

Adeptos croatas destroem Centro Histórico de Guimarães. Autarca da cidade contesta atuação da polícia

Foram identificados pelas autoridades 154 adeptos, entre simpatizantes do clube croata Hadjuk Split e 23 portugueses, na sequência dos desacatos que ocorreram, na noite de terça-feira, na cidade de Guimarães e que se prolongaram até à cidade do Porto.