PCP diz que "aumentos salariais não caem do céu e exorta à "intervenção" dos trabalhadores

| Política
Porto Canal / Agências

O PCP defendeu hoje que um "aumento dos salários não cai do céu" e exortou à "intervenção organizada" dos trabalhadores para esse objetivo, defendendo ainda a taxação dos lucros especulativos.

"Um aumento dos salários que não cai do céu, tem de ser conquistado com a luta dos trabalhadores e com a ampliação da intervenção organizada dos que pelo seu trabalho criam a riqueza do país", defendeu Ricardo Costa, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP, numa declaração enviada à imprensa.

Para o comunista, o aumento geral dos salários "emerge como uma questão crucial e inadiável para enfrentar a acentuada perda de poder de compra que os trabalhadores e o povo enfrentam decorrente da brutal inflação provocada pela especulação ao serviço dos lucros do grande capital".

"O PCP tem proposto que os lucros que estão a ser obtidos com a especulação sejam tributados através de um imposto extraordinário e isso é cada vez mais necessário, como ainda ontem as Nações Unidas vieram reconhecer", sustentou o dirigente.

O PCP disse que "é preciso ir mais a montante" e "pôr fim à liberalização" da economia, "recuperar o controlo público sobre os sectores estratégicos, abandonar os mecanismos especulativos de fixação de preços, revogar as normas gravosas da legislação laboral", rompendo "o caminho que a política de direita tem imposto ao país".

Ricardo Costa sustentou que "é tão brutal o contraste entre a euforia do grande capital e as dificuldades da generalidade das MPME's [micro, pequenas e médias empresas], que fica à vista o aproveitamento especulativo que os grupos económicos estão a fazer da guerra e das sanções".

O comunista alertou para as "consequências desastrosas sobre as condições de vida dos trabalhadores e do povo, esmagados pela inflação e pelo aumento incessante de bens essenciais como a habitação, a energia e a alimentação".

"Para tentar esconder o processo em curso de expropriação pelo grande capital da riqueza criada pelos trabalhadores, o grande capital usa os seus meios de difusão de falsas notícias para apontar o dedo aos impostos, procurando novas reduções de impostos para si e para os seus lucros. Reduções que inevitavelmente os portugueses acabariam a pagar dos seus próprios impostos ou da redução ainda maior dos serviços públicos a que têm direito", defendeu.

+ notícias: Política

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.

Cotrim de Figueiredo acusa PS de transformar Portugal em país "medíocre e incapaz"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o PS de estar a transformar Portugal num “país medíocre e incapaz”, com uma visão da maioria absoluta “autoritária e prepotente”.