Enfermeiro do IPO-em protesto por melhores condições de trabalho. Exigem que "todo o trabalho que efetuam seja pago"

| Norte
Porto Canal

Os enfermeiros do IPO-Porto estiveram ao longo desta terça-feira em protesto por melhores condições de trabalho. No local, o Porto Canal esteve à conversa com Fátima Monteiro do sindicato dos enfermeiros portugueses e, entre as várias declarações, Fátima explicou que os profissionais reivindicam "aquilo que acham que é justo", ou seja, "todo o trabalho que efetuam seja pago".

Além disso, Fátima Monteiro contou que atualmente deparam-se com horas de trabalho diárias acima daquilo que é permitido e alterações constantes de horários. A representante do sindicato dos enfermeiros portugueses pedem que "sejam feitos os horários que estão contratualizados" e ainda exigem a "contratação de mais profissionais com vínculo estável".

Continuam a exigir uma "carreira que valorize a profissão" e que também da parte do Ministério "existam opções políticas que motive os profissionais e os fixe ao Serviço Nacional de Saúde". 

+ notícias: Norte

Violência em Guimarães: Observatório de Segurança Interna diz que falhou planeamento da PSP 

A PSP teve de enviar reforços de última hora de Lisboa para Guimarães, depois dos desacatos no centro histórico da cidade. O presidente do Observatório de Segurança Interna diz que o incidente de terça-feira podia ter sido previsto e não tem dúvidas de qe houve falhas na organização do jogo com os croatas do Hadjuk Spilit.

Abastecimento de água no Porto com constrangimentos na noite de sábado para domingo

O abastecimento de água em algumas zonas da cidade do Porto vão sofrer constrangimentos entre as 21h00 de sábado (13 de agosto) e as 12h00 do dia seguinte (14 de agosto). A situação decorre de uma intervenção numa conduta principal das obras de expansão da linha rosa do Metro do Porto, na Avenida dos Aliados. Nesse período, poderão ocorrer falhas do fornecimento.

Autoridades proibem banhos em praias de Matosinhos. Veja aqui quais e porquê

As praias de Matosinhos em que os banhos tinham sido desaconselhados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) na terça-feira, após um incêndio numa fábrica de tintas, foram hoje interditadas, indicou à Lusa o capitão do porto do Douro.