31 acusados, 261 crimes violentos. Desfecho do processo 'No Name Boys' adiado

31 acusados, 261 crimes violentos. Desfecho do processo 'No Name Boys' adiado
| País
Porto Canal

A leitura do acórdão do julgamento de 31 elementos ligados à claque do Benfica 'No Name Boys' estava prevista para esta segunda-feira, depois do anúncio feito no final de março, pelo coletivo de juízes no Tribunal Judicial de Sintra, mas foi adiada para dezembro. Em causa estão vários ataques violentos perpetrados pela ala 'Casuals' da claque, entre os quais a a agressão a um adepto do Sporting CP, em maio de 2020, no Estoril, mas também o ataque "à pedrada" do autocarro da equipa do Benfica, na noite de 4 de junho, e o vandalismo na casa de Bruno Lage.

Depois da segunda e última sessão destinada a alegações finais, nas quais todos os advogados pediram a absolvição dos seus constituintes, o presidente do coletivo de juízes reconheceu a “natureza urgente” do processo, que é prioritário por ter seis arguidos em prisão domiciliária, mas também a necessidade de tempo para “uma análise tão rigorosa da prova quanto possível”, realçando que esta é “extensa”.

“A leitura será ainda antes das férias judiciais, em 4 de julho de 2022, ponderada a natureza urgente dos autos, bem como a excecional complexidade”, afirmou na altura o juiz-presidente Bruno Gorjão, do Juízo Central Criminal de Cascais, clarificando que a leitura terá início pelas 14h00. Devido a condições logísticas, o julgamento deste processo tem decorrido em Sintra. O tribunal fez agora saber que, “ponderada agora a natureza já não urgente dos autos, bem como a prioridade de outros processos”, decidiu adiar a sessão.

Este processo junta-se a outros processos passados e em curso relativos à claque não reconhecida pelo Benfica, em que já estiveram em causa crimes como associação criminosa, tráfico de estupefacientes, posse de arma ilegal, entre outros.

+ notícias: País

Futura sede da TAP pode vir a custar 3,8 milhões/ano. Pilotos criticam mudança

O sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusou, esta quinta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” cometidos ao longo do ano. Um deles é, segundo a estrutura sindical, o “gasto desnecessário com a mudança da sede da empresa do Aeroporto de Lisboa para o Parque das Nações. Um dos edifícios na mira da companhia aérea nacional tem uma renda anual de quase 4 milhões de euros.

Vida e obra de Luís Ferreira Alves: o pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal

Luís Ferreira Alves, pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal, impulsionou a evolução desta arte desde a década de 80, acarinhado e reconhecido no meio, morreu em Julho aos 84 anos.

Sindicato dos Pilotos da Aviação acusa a TAP de "milhões de erros" 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa a TAP de desperdiçar as receitas do verão com milhões de erros ao longo ano. Entre os principais problemas apontados pela estrutura está a contratação externa de serviços a várias companhias áreas, num valor superior a 200 milhões de euros.