Gazprom baixa exportações e UE prepara-se para viver sem energia russa

Gazprom baixa exportações e UE prepara-se para viver sem energia russa
| Mundo
Porto Canal

A Gazprom exportou no primeiro semestre menos 31% de gás do que no mesmo período do ano passado para os países fora do espaço da pós-soviética Comunidade de Estados Independentes (CEI).

As exportações para fora da CEI ficaram-se pelos 68,9 mil milhões de metros cúbicos (mmmc), menos 31 mmmc, segundo um comunicado da Gazprom.

Entretanto, a Comissão Europeia está a preparar um plano de emergência para ajudar os Estados membros a viverem sem a energia russa, no seguimento da invasão russa da Ucrânia.

A presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, disse na República Checa que a iniciativa vai desenvolver os esforços europeus para dispensar o carvão, o petróleo e o gás russo e complementar o esforço europeu para o desenvolvimento de fontes renováveis de energia, como a eólica e a solar.

“Estamos a preparar planos de emergência para a Europa”, disse Von der Leyen na cidade checa de Litomysl, onde marcou o início da presidência rotativa da UE pela República Checa.

“Os preços da energia estão altos. As pessoas esperam que façamos alguma coisa a propósito disso”, disse.

O plano de contingência deve ser apresentado em meados de julho, revelou.

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.