ONU "alarmada" com morte de 60 palestinianos por forças israelitas em 2022

| Mundo
Porto Canal / Agências

Jerusalém, 01 jul 2022 (Lusa) -- O gabinete de direitos humanos da ONU em território palestiniano manifestou-se hoje "alarmado pelo impacto" das recentes operações das forças israelitas em Jerusalém leste e Cisjordânia ocupada, que desde o início do ano provocaram a morte de 60 palestinianos.

"As forças israelitas intensificaram as incursões e operações de detenção" após seis ataques cometidos nos últimos meses por árabes-israelitas e palestinianos que provocaram 18 mortos em Israel, mas que também originaram "um aumento alarmante de mortes palestinianas na Cisjordânia durante a primeira metade de 2022", indicou o organismo.

Entre os pelo menos 60 palestinianos mortos pelos israelitas desde o início deste ano incluem-se 14 menores e cinco mulheres.

Segundo a ONU, "estas operações implicaram uma troca de disparos de armas de fogo com palestinianos, expondo outros residentes palestinianos, incluindo crianças, a graves consequências, incluindo perda de vidas".

Por sua vez, em muitos dos incidentes mortais investigados, as Nações Unidas concluíram que Israel usou "força letal de uma forma que parece totalmente contrária à lei internacional".

Também "utilizou a força letal como primeiro recurso, e não como último recurso para enfrentar a suposta ameaça".

Entre os vários casos, inclui-se o de uma mulher palestiniana desarmada que em 10 de abril foi morta por disparos quando se aproximou de soldados de uma forma que estes consideraram "suspeita", ou o assassinato pelos militares de um adolescente de 16 anos em 11 de maio, que lançava pedras, apesar de estar "a cerca de 100 metros de distância e não representar qualquer ameaça concreta para as tropas".

O gabinete dos direitos humanos também identificou incidentes em que o exército "empregou força letal injustificada contra trabalhadores palestinianos" que tentavam atravessar o muro de separação com Israel. Entre maio e junho, soldados israelitas mataram dois palestinianos nestas circunstâncias, sem que tenha ficado provado que estivessem armados ou constituíssem uma "ameaça" efetiva.

A ONU também documentou casos em que as forças israelitas "dispararam para a parte superior do corpo com balas reais" contra pessoas "que não pareciam representar qualquer ameaça" e que em alguns casos estavam a fugir dos militares.

A ONU também se refere ao caso de um palestiniano que tinha sido ferido e que foi alvo de "mais força letal", uma situação que segundo a organização internacional poderá ser considerada uma "execução extrajudicial".

O gabinete da ONU acrescenta que "o uso israelita da força letal se converteu numa prática generalizada em território palestiniano ocupado, muitas vezes efetuada independentemente do nível específico de gravidade da ameaça potencial, e muitas vezes usada como primeiro e não como último recurso, contra as normas internacionais", e que originou "níveis de mortes e lesões permanentes".

Um dos casos mais divulgados refere-se à jornalista Shereen Abu Aqleh, 51 anos, da estação televisiva Al Jazzera, morta no decurso de uma reportagem em 11 de maio em Jenin, Cisjordânia ocupada, quando relatava mais uma incursão militar das tropas israelitas. A sua morte foi atribuída aos israelitas pela liderança palestiniana e por diversas organizações internacionais.

A ONU pede ao Estado judaico que preste contas, lamenta que a "impunidade também permita que ocorram mais violações" e exige "investigações apropriadas sobre as ações das forças israelitas".

PCR // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.