Castelo Branco recebe "Terras Templárias" de sexta-feira a domingo

| País
Porto Canal / Agências

Castelo Branco, 28 jun 2022 (Lusa) -- Castelo Branco vai receber, de sexta-feira a domingo, o certame "Terras Templárias", iniciativa que integra uma feira medieval, mercado de artesãos, espaços para restauração, espetáculos aéreos de fogo e outros espetáculos de animação.

"Templários ou árabes, damas e donzelas, cavalheiros, malabaristas, engolidores de fogo ou outras personagens históricas vão percorrer as ruas do casco histórico de Castelo Branco em encontros e desencontros com a história", referiu a organização, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A iniciativa é promovida pela Câmara de Castelo Branco e pela ALBIGEC - -- Empresa de Gestão de Equipamentos Culturais, Desportivos e Lazer, em parceria com a Junta de Freguesia de Castelo Branco, a Outrem -- Associação de Defesa do Ambiente e Património, a ACICB -- Associação Comercial e Empresarial da Beira Baixa e os Serviços Municipalizados de Castelo Branco.

"O evento visa recordar a herança templária da região e ao mesmo tempo contribuir para a valorização dos produtos locais, quer seja na área artesanal, quer seja na área gastronómica, contribuindo para a economia local e desenvolvimento turístico".

Entre os objetivos destaca-se ainda o contributo para "valorizar a zona histórica da cidade e lançar pistas para a sua recuperação".

Segundo a informação disponibilizada à Lusa, está já garantida a presença dos principais grupos de animação medieval do país, tendo a organização acordos fechados com os grupos Alvorada, Xamaril, Olta Gabar, Troto Saltarelo, Episódio Medieval, Emad Selim, Váatão, Tramédia, Outré, Espadas de Santa Maria do Castelo, Flamma Luna, Burreiros, Somnium, Espadas de Santa Maria da Feira e Fazenda dos Animais.

O programa conta com música da época, cortejos, animadores de rua, chás naturais, doces tradicionais e várias iguarias, bem como com a venda de artesanato típico e diversos artefactos.

Destacam-se ainda espetáculos como o "assalto ao castelo", nas noites de sábado e domingo, e "No Alvor dos Tempos", na noite de sexta-feira.

Para sábado, às 19:00, está marcada uma ceia medieval, que consiste num jantar servido em pratos de pão e cuja ementa é composta por telha de enchidos e azeitonas, como entradas, caldo do castelo com pão frito em azeite e tomilho (sopa), porco assado com castanhas, cenoura, migas de alho e legumes do reino (prato principal), arroz doce com mel e canela e maçãs assadas (sobremesa).

Durante a ceia haverá ainda pequenos momentos de animação com os "jograis do reino", dança do ventre e espetáculos de fogo.

Também no sábado, mas às 16:30, na Igreja de Santa Maria do Castelo, decorrerá a conferência "Castelo Branco, uma longa viagem no tempo", que terá como oradores os investigadores Paula Pinto Costa, Nuno Villamariz Oliveira, Joaquim Moreira, Pedro Salvado e Júlio Vaz de Carvalho.

A moderação estará a cargo do professor de história José Carlos Moura, numa sessão que contará ainda com as intervenções de Leopoldo Rodrigues, presidente da Câmara de Castelo Branco, e José Pires, presidente da Junta de Freguesia de Castelo Branco.

CYC // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Futura sede da TAP pode vir a custar 3,8 milhões/ano. Pilotos criticam mudança

O sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusou, esta quinta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” cometidos ao longo do ano. Um deles é, segundo a estrutura sindical, o “gasto desnecessário com a mudança da sede da empresa do Aeroporto de Lisboa para o Parque das Nações. Um dos edifícios na mira da companhia aérea nacional tem uma renda anual de quase 4 milhões de euros.

Vida e obra de Luís Ferreira Alves: o pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal

Luís Ferreira Alves, pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal, impulsionou a evolução desta arte desde a década de 80, acarinhado e reconhecido no meio, morreu em Julho aos 84 anos.

Sindicato dos Pilotos da Aviação acusa a TAP de "milhões de erros" 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa a TAP de desperdiçar as receitas do verão com milhões de erros ao longo ano. Entre os principais problemas apontados pela estrutura está a contratação externa de serviços a várias companhias áreas, num valor superior a 200 milhões de euros.