Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

| Mundo
Porto Canal com Lusa

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Swyrydenko acrescentou que, antes do início da invasão, em 24 de fevereiro, a refinaria de Kremenchuk (centro do país) abastecia grande parte da procura interna de combustível, mas a infraestrutura foi destruída num ataque do exército russo.

Por isso, o Governo está a tentar organizar-se para aliviar a escassez de combustível, disse, admitindo, no entanto, que enfrenta muitas dificuldades, já que muitos dos caminhos ferroviários e rodoviários estão danificados e os portos ucranianos estão bloqueados.

No início deste mês, as forças russas também atacaram a segunda maior refinaria da Ucrânia, localizada na região de Lugansk.

A falta de combustível está a provocar filas para abastecer os carros, já porque a maioria dos postos de gasolina do país tem o combustível racionado a 10 litros por cliente.

Em entrevista à agência de notícias espanhola Efe, o ministro das Infraestruturas da Ucrânia, Olexandr Kubrakov, admitiu esperar apoio dos países europeus relativamente ao abastecimento de gasóleo e gasolina ao seu país e garantiu que o Governo está a reconstruir as infraestruturas danificadas para facilitar a distribuição e retomar as exportações agora bloqueadas.

Kubrakov reconheceu que todo o mercado europeu está a atravessar uma situação difícil, já que há a procura por combustíveis é alta e alguns países estão a tentar fazer algumas reservas para enfrentar o potencial embargo russo, mas sublinhou que um país em guerra tem necessidades e adiantou estar em conversações com os governos da Roménia e da Polónia para que permitam a entrada de navios carregados de combustível na Ucrânia.

A Ucrânia precisa operar nesses portos porque os seus portos no Mar Negro estão todos bloqueados.

"A situação é muito difícil porque quase 80% das nossas exportações eram feitas através do Mar Negro", lamentou o ministro.

Além disso, acrescentou Kubrakov, o Governo está também a tentar reorientar os canais logísticos para oeste (em direção à fronteira com a Polónia) por via rodoviária e de comboio.

"Estamos a considerar todas as opções que possam ajudar", alegou o ministro, adiantando ser "difícil fazer tudo em poucas semanas".

De acordo com o ministro, esta é, no entanto, a prioridade do Governo, à frente da recuperação e desenvolvimento dos aeroportos.

"Foram todos danificados, alguns estão totalmente destruídos", explicou Kubrakov, que reconhece que se está a decidir qual o aeroporto que terá de passar a funcionar caso o espaço aéreo seja reaberto.

"Mas não é nossa prioridade, a nossa prioridade é exportar", sublinhou.

PMC // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Boris Johnson recusa demitir-se e pretende substituir membros do governo demissionários

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou hoje existir suficiente "talento" na bancada parlamentar do Partido Conservador para substituir os mais de 30 membros do Governo demissionários, recusando novamente demitir-se.

Suspeito de ataque em Copenhaga tem antecedentes psiquiátricos

O alegado autor de um tiroteio ocorrido no domingo em Copenhaga, que fez três mortos e quatro feridos graves, tem antecedentes de doença psiquiátrica, indicou hoje a polícia dinamarquesa, afirmando não haver indícios de "um ato terrorista".

Vários mortos em tiroteio na Dinamarca. Suspeito é dinamarquês e tem 22 anos

Várias pessoas morreram num tiroteio no centro comercial Field's, em Copenhaga, capital da Dinamarca, revelou a polícia. Uma pessoa foi detida.