Europa financia com 3,2 milhões de euros investigação em Portugal

| País
Porto Canal com Lusa

Redação, 17 mar 2022 (Lusa) - O Conselho Europeu de Investigação vai financiar com 3,2 milhões de euros estudos feitos em Portugal sobre o impacto da poluição marinha no desenvolvimento económico e os aceleradores de partículas do Universo, foi hoje anunciado.

Alex Armand, investigador da Universidade Nova de Lisboa, lidera a equipa do projeto que vai obter uma bolsa de 1,4 milhões de euros para avaliar, durante cinco anos, o efeito da contaminação das águas costeiras no desenvolvimento económico dos países mais pobres, recorrendo a dados de satélite e a inquéritos a famílias, indicou a instituição em comunicado.

O investigador Frederico Fiúza, que regressa ao Instituto Superior Técnico, onde se formou, coordena o grupo contemplado com uma bolsa de 1,8 milhões de euros para estudar os aceleradores de partículas do Universo, usando simulações computacionais, técnicas de aprendizagem automática e experiências em laboratório, segundo uma nota da instituição.

Ambos os estudos fazem parte do pacote de oito projetos de investigação de cientistas a trabalharem em Portugal que vão beneficiar de bolsas do Conselho Europeu de Investigação no valor total de 15 milhões de euros, de acordo com uma nota hoje divulgada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

O Conselho Europeu de Investigação é um organismo da União Europeia que financia a investigação científica, nomeadamente através de bolsas.

ER (MYCA) // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: País

Descentralização na ação social aprovada com reforço de 35 milhões de euros. Prazo limite adiado para 3 de abril

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o Governo chegaram, esta terça-feira, a acordo no processo de descentralização de competências para a área da Ação Social, após o Governo ter anunciado um aumento da verba anual a transferir para as autarquias de 56,1 milhões de euros para 90,8 milhões.

Ministério da Defesa Nacional. É tempo de esperar "serenamente", vinca Marcelo sobre investigações

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que se deve aguardar o resultado da investigação que envolve o Ministério da Defesa Nacional "serenamente, sem formular juízos prévios".

Diretor da PSP convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública manifestou-se, esta terça-feira, convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP, considerando que a esmagadora maioria dos polícias “não é racista, nem extremista”.