Info

Refugiado sírio garante mestrado pela Coimbra Business School com estudo sobre venda de hambúrgueres no Dubai

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 18 set 2021 (Lusa) - Um estudo sobre a venda de hambúrgueres de uma marca portuguesa no Dubai garantiu ao sírio Majed Razouk o primeiro título de mestre atribuído pela Coimbra Business School (CBS) a um estudante com estatuto de refugiado.

Razouk vive em Portugal desde 2018 e defendeu na terça-feira o estudo que elaborou sobre o processo de internacionalização da H3 no Dubai. Resultado: 17 valores no final do mestrado "Marketing e Negócios Internacionais" da CBS, que frequentou através da Plataforma Global para os Estudantes Sírios, criada pelo antigo presidente Jorge Sampaio.

"É muito gratificante para a nossa escola fazer parte do sucesso do Majed. (...) É a melhor homenagem que podemos prestar a Jorge Sampaio, dias depois do seu falecimento", afirma o presidente da CBS - Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra.

Para Pedro Costa, ter Majed Razouk como aluno é "uma grande satisfação", sendo o mestrado concluído "uma homenagem à visão profundamente humanista da sociedade" de Jorge Sampaio e ao empenho dedicado por este "no acolhimento dos refugiados".

O sírio apresentou uma dissertação sobre a possibilidade de alargamento da marca H3 a outros territórios. Focando-se no mercado do Dubai, Majed analisou a viabilidade de penetração da marca portuguesa naquele emirado.

"Apaixonei-me pela história, pelo projeto e pela comida do H3, tendo-a ligado ao local globalizado e muito competitivo que é hoje o Dubai", afirma Majed Razouk. Recorrendo à estatística e outros métodos científicos, o novo mestre analisou a concorrência de marcas do setor e concluiu quais as melhores zonas para a H3 expandir o negócio na cidade do Dubai.

"Conseguiu fazer um estudo adaptado à sua cultura de raiz, interligando realidades sírias", sublinha o orientador, Victor Santos.

O docente destaca ainda o exemplo "de perseverança, de trabalho e de vontade" do estudante sírio, que ultrapassou as dificuldades iniciais da língua e definiu todos os parâmetros do trabalho, recorrendo a contactos que tem no Dubai.

"Para mim, foi uma aprendizagem e uma honra ter sido seu orientador", afirma Victor Santos.

Majed Razoul nasceu em 1992 e estudou Direito na Síria, área em que tem experiência profissional. Segundo a informação prestada pela CBS, durante a guerra no país natal, fugiu para Beirute, onde trabalhou em cozinhas.

"Foi um momento complicado, mas uma experiência muito enriquecedora. Aliás, foi esse gosto que desenvolvi pela cozinha que me levou ao tema da dissertação de mestrado", conta Mejad.

Um primo residente em Lisboa aconselhou-o a viajar até Portugal para continuar a estudar, o que aconteceu em 2018. Com bons resultados.

"As pessoas respeitam-nos enquanto refugiados e são muito compreensivas. Isso foi fundamental para todo o processo", conclui o jovem, que entrou na CBS no quadro de um protocolo entre o Instituto Politécnico de Coimbra e a Plataforma Global para os Estudantes Sírios.

MLE // SSS

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Jovens entre os 12 e os 18 anos estão impedidas de ir às aulas e professor pede ajuda internacional no Afeganistão

Quase quatro milhões de crianças, entre os 12 e os 18 anos, estão impedidas de ir à escola, no Afeganistão e, um professor pede ajuda internacional a pedir que instituições de todo o mundo possam dar-lhes aulas online para que consigam continuar a estudar.

Covid-19: Bolsonaro diz não ter culpa de 'absolutamente nada' na pandemia

São Paulo, 20 out 2021 (Lusa) -- O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, garantiu hoje que ele e o seu Governo não têm culpa de "absolutamente nada" em relação ao agravamento da pandemia no país, que já matou mais de 603.855 mil brasileiros e infetou outros 21,6 milhões.

Guiné-Conacri defende reforço da cooperação com a Guiné-Bissau

Bissau, 20 out 2021 (Lusa) -- O Presidente de transição da Guiné-Conacri, o coronel Mamadi Doumbouya, defendeu hoje um reforço da cooperação com a Guiné-Bissau no âmbito de uma visita que o chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló, efetuou ao país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.