Artista multidisciplinar Inês Campos estreia nova obra no Teatro do Bairro Alto

| País
Porto Canal com Lusa

Redação, 17 jun 2021 (Lusa) - Movimento, palavra e som, num ambiente ilusório, misturam-se na nova criação de Inês Campos, "Artifici?u", que se estreia na sexta-feira, no Teatro do Bairro Alto (TBA), em Lisboa.

Neste espetáculo, Inês Campos explora as leis da perceção da mente humana, numa viagem que questiona os pressupostos da linguagem, do tempo, da expectativa e da beleza.

A criadora e sua equipa entrelaçam dança, teatro visual e música, criando uma colagem de acontecimentos com base numa ideia de padrão em repetição, mas sem nunca ser igual.

Através deste processo, a artista informa continuamente o que se segue e que vive de referências conscientes e inconscientes, num espetáculo que usa a sincronia entre o movimento, a luz e o som, num efeito "Mickey Mousing" - técnica com origem no cinema de animação que sincroniza movimento e música -, sobrepondo camadas que coabitam de forma quase incongruente e que podem ter várias leituras simultâneas.

Inês Campos, cofundadora da banda Sopa de Pedra, é uma artista multidisciplinar, que trabalha como coreógrafa, atriz, bailarina, música e artista visual, tendo colaborado em peças de coreógrafos como Tânia Carvalho, Flora Détraz, Sofia Dias e Vítor Roriz, e em projetos de artistas visuais como Kalle Nio.

A estreia de "Artifici?u" acontece depois do espetáculo a solo "Coexistimos", em 2018, dando continuidade a "projetos artísticos híbridos" que exploram a relação entre o corpo e o seu lugar simbólico, a partir de "um imaginário de poesia pragmática, ou realismo mágico, que justapõe o real e o irreal".

O espectáculo inclui fragmentos e citações da série televisiva "Undone", de Raphael Bob-Waksberg e Kate Purdy, que joga com a natureza elástica da realidade, e da obra-chave de John Berger, "Modos de Ver", que transformou a perceção da arte, nos últimos 40 anos, a partir de um ensaio e de uma série de televisão (BBC), demonstrando como conceitos de beleza, verdade, género e classe social moldam a perspetiva da realidade.

A execução de "Artifici?u" conta com Inês Campos e Dylan Read.

A sonoplastia é de Filipe Fernandes, Inês Campos e João Grilo e o desenho e operação de luz é de Mariana Figueroa.

Os objetos em palco e a cenografia são de Inês Campos e João Calixto.

"Artificiu" terá representações na sexta-feira e no sábado, às 19:00, e, no domingo, às 17:00.

Formada na Escola Superior de Dança e na Escola Internacional de Teatro Jacques Lecoq, em Paris, Inês Campos participou nas digressões internacionais de "Sons Misteriosos", de Sofia Dias e Vitor Roriz, de "Muyte Maker", de Flora De´traz, e "Icosahedron", de Ta^nia Carvalho.

Com Marta Cerqueira criou "Sublinhar", e fez parte do projeto coletivo "This Takes Time", com Aleksandra Osowicz, Filipe Pereira, Helena Martos e Matthieu Ehrlacher, que promoveu "o encontro entre cinco autores, 23 quilos de plástico e 1710W de potência em ventoinhas", para um estudo de organismos em constante transformação.

Participou nas longas-metragens "A Metamorfose dos Pa´ssaros", de Catarina Vasconcelos, "Amor Fati", de Cla´udia Vareja~o, e "Body Buildings", de Henrique Ca^mara Pina.

Como artista visual, tem peças em vídeo, design e a partir de objetos pré-existentes.

CP // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Regionalização: 50 anos a adiar Portugal

A Regionalização começou a fazer parte da agenda política logo após o 25 de Abril de 1974. O processo, apontado como “chave” para o desenvolvimento do país, já estava previsto na primeira versão da lei fundamental que em 1976 a Assembleia Constituinte aprovou, contudo, quase 48 anos depois, a ambição permanece no papel. A dois meses do 50.º aniversário do 25 de Abril, esta é a forma mais adiada e que mais adiou Portugal.

Não consegue ir às urnas no dia 10? Saiba como votar antecipadamente

Os eleitores recenseados em Portugal podem inscrever-se entre este domingo e quinta-feira para votar antecipadamente em mobilidade, num município à sua escolha, uma semana antes das eleições legislativas de 10 de março.

Equipa portuguesa que se sagrou campeã do mundo em atletismo 'indoor' para deficiência intelectual é felicitada por Marcelo

O Presidente da República felicitou a equipa portuguesa que no sábado se sagrou campeã do mundo de atletismo pista coberta da Federação Internacional para Atletas com Deficiência Intelectual (VIRTUS).