Info

Mau Tempo: Autarca de Vila Real defende verbas a fundo perdido para colmatar prejuízos

| Norte
Porto Canal com Lusa

O presidente da Câmara de Vila Real defendeu hoje que os ministérios da Economia e da Agricultura devem apoiar com verbas a fundo perdido as atividades mais afetadas pelo granizo e chuva intensa que atingiram o concelho.

"O mau tempo tem sido, de facto, terrível. E temos observado que nos últimos anos, fruto das alterações climáticas, a severidade do mau tempo, fora de época, tem sido muito constante e causado prejuízos imensos em todo o concelho", afirmou Rui Santos.

Desde o dia 31 de maio que o concelho de Vila Real foi já atingido por três tempestades de granizo e de chuva intensa. A última situação verificou-se no domingo.

O autarca apontou os prejuízos causados na agricultura, nomeadamente nas vinhas de freguesias como Abaças e Guiães, nos pomares e na horticultura, também nos 'stands' de automóveis que têm as viaturas expostas ao ar livre, na queda de muros, nas vias públicas e em casas de particulares, que sofreram inundações.

"Conheço variadíssimas situações em casas particulares onde os prejuízos também foram muito consideráveis", salientou.

Segundo Rui Santos, a autarquia tem, através da Proteção Civil, "acorrido a todas as emergências" e tem conseguido "manter o concelho em funcionamento".

"E temos tentado, dentro daquilo que nos é possível, alertar o Estado central para a severidade das tempestades que por aqui têm caído e para a necessidade de apoio, nomeadamente nas atividades económicas que mais têm sido prejudicadas, como a vitivinicultura, porque os prejuízos são para o ano 2021 mas, em alguns casos, também para anos futuros", frisou.

E explicou que, "em alguns casos, as videiras e árvores de fruto ficam de tal forma danificadas que a expectativa de produção fica condicionada nos próximos anos".

Após a queda intensa de granizo a 31 de maio, foi estabelecida uma parceria entre o município e o Ministério da Agricultura para, "pelo menos, fornecer cal aos agricultores para a cicatrização das videiras e das árvores".

"Houve uma linha de crédito de três milhões de euros, mas face ao que aconteceu nos últimos dias a perceção que temos é que isso já não chega, temos que ir mais longe, o Estado central tem que ir mais longe, isto é uma competência do Estado central, não é da autarquia", salientou.

E continuou: "Temos que, provavelmente, junto do ministério da Economia, mas também da Agricultura, dependendo dos setores de atividade, encontrar forma de apoiar os nossos concidadãos com verbas a fundo perdido, é isso que defendemos".

Ao longo do dia de hoje foram feitas as operações de limpeza de habitações ou de estradas.

Rui Santos fez questão de agradecer a todos os que têm estado no terreno, desde a PSP e a GNR, às duas corporações de bombeiros do concelho (Cruz Branca e Cruz Verde) e à Proteção Civil Municipal.

"Todos em conjunto souberam estar à altura das circunstâncias e num espaço de tempo absolutamente recorde conseguiram pôr a cidade, o concelho, tudo a funcionar, sem prejuízos de maior", salientou.

Na sexta-feira, a chuva intensa provocou inundações no concelho, nomeadamente no mercado municipal, que está sofrer obras de requalificação.

"As obras não estão concluídas e, portanto, vamos a tempo de retificar, sabendo nós que não podemos nunca prever tudo (...) Temos seguros, os empreiteiros têm seguros e tentaremos salvaguardar sempre o bem-estar daqueles que momentaneamente foram prejudicados e serão, obviamente, recompensados", frisou.

Relativamente à situação do mercado, o autarca lamentou e pediu desculpa pelo que aconteceu.

As previsões meteorológicas para Vila Real apontam para a possibilidade de queda de granizo e chuva nos próximos dias.

"Estamos preparados, a Proteção Civil está preparada, temos um dispositivo preparado, agora temos a consciência de que nem sempre é possível resolver tudo ao instante e ao segundo", salientou.

+ notícias: Norte

Enfermeiros reivindicam agendamento de uma data de reunião com o governo 

Os enfermeiros, reivindicam, durante a manhã desta terça-feira, no Porto, o agendamento de  uma data de reunião com o governo para a concretização de melhores condições de trabalho para os enfermeiros. Em declarações ao Porto Canal, José Carlos Martins, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, disse que "as principais reivindicações deste protesto vão desde o assunto da progressão das carreiras, melhores condições, e ainda o agendamento da reunião".

Responsáveis do Lar do Comércio em Matosinhos acusados por 67 crimes de maus-tratos

O Ministério Público (MP) imputou 67 crimes de maus-tratos, 17 deles agravados por resultarem em morte, a um ex-presidente e uma directora de serviços do Lar do Comércio, em Matosinhos.

Associação de Vila d'Este distribui cabazes alimentares aos mais carenciados em Vila Nova de Gaia

A Associação de Vila d'Este, em Vila Nova de Gaia, distribui cabazes alimentares aos mais carenciados, mais precisamente cerca de 600 pessoas e 116 agregados familiares. Em declarações ao Porto Canal, a voluntária, Júlia Ferraz, disse que "com a pandemia, o desemprego e as crianças em casa os agregados familiares duplicaram". 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.