Agências de viagens pedem continuação dos apoios e regras claras para reabertura

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 30 mar 2021 (Lusa) -- O presidente Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira, defendeu hoje a continuação dos apoios às empresas no momento da retoma, que será "crítico" e pediu regras claras para a reabertura.

"O momento da retoma é efetivamente o momento mais crítico do ponto de vista da tesouraria. [...] Temos de continuar com um sistema de apoios, que será apenas coerente e apenas minimamente justo se continuar, e permitirá que os anteriores apoios não caiam em saco roto", disse Pedro Costa Ferreira, que foi ouvido pelos deputados da comissão eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

Na opinião do responsável, é necessário regras claras para a reabertura da atividade, bem como a harmonização das restrições às viagens, para que o setor do turismo consiga ser o "motor" da recuperação económica.

"Estamos a complicar muito as questões relacionadas com a retoma, mantemos uma produção legislativa muito grande, mantemos declarações de ministros infelizes, como foi agora a do ministro da Administração Interna", apontou o presidente da APAVT, referindo-se à decisão de alargar até 15 de abril a suspensão de voos com origem no Brasil e no Reino Unido.

"A nossa palavra de ordem é: vacine-se e descomplique-se", acrescentou.

Pedro Costa Ferreira sublinhou que o setor tem resistido, mas está sacrificado e vai ter "dificuldades em levantar-se", uma vez que as empresas estão endividadas e algumas delas até tecnicamente falidas.

Porém, a APAVT acredita que, com as medidas adequadas, daqui a três anos essas mesmas empresas estarão recuperadas.

Assim, a associação defende que seja desenhado um esquema de recapitalização das empresas, antes do fim das moratórias, com a fixação de um montante específico para as pequenas empresas.

A APVT pretende, ainda, um modelo híbrido de saída das moratórias, com a extensão do prazo de pagamento do serviço dívida em simultâneo, e a manutenção do Apoiar Rendas durante o segundo semestre deste ano.

"Abram a economia e a sociedade sem legislar sobre se se pode pôr o cotovelo ao postigo ou o nariz fora da janela, vamos cingir-nos ao que é fundamental, para que todos possamos começar a trabalhar", frisou o responsável.

Pedro Costa Ferreira deixou também largas críticas à decisão de não se permitir tirar o passaporte, a não ser que se comprove que existe um motivo de força maior para viajar. "Este atropelo legislativo como que banalizou a entrada na nossa vida privada", lamentou, considerando que tirar o passaporte é um direito dos cidadãos.

Para o futuro do turismo, a APAVT espera que haja menos sazonalidade e mais território turístico, considerando ainda importante "vencer o desafio dos mercados distantes", como o brasileiro, americano, chinês ou indiano.

"Para tal, será fundamental que o 'hub' aéreo português se mantenha e, para isso, a TAP tem de ser manter, por um lado. Por outro lado, que avancemos com o novo aeroporto, seja onde for. [...] O aeroporto é uma questão estratégica e não percebo como é que uma questão conjuntural [crise pandémica] volta a atrasar questões estratégicas. Tem de haver uma resposta no quadro da aviação, uma vez que o nosso país está muito dependente do turismo", defendeu.

MPE // EA

Lusa/Fim

+ notícias: País

Descentralização na ação social aprovada com reforço de 35 milhões de euros. Prazo limite adiado para 3 de abril

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o Governo chegaram, esta terça-feira, a acordo no processo de descentralização de competências para a área da Ação Social, após o Governo ter anunciado um aumento da verba anual a transferir para as autarquias de 56,1 milhões de euros para 90,8 milhões.

Ministério da Defesa Nacional. É tempo de esperar "serenamente", vinca Marcelo sobre investigações

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que se deve aguardar o resultado da investigação que envolve o Ministério da Defesa Nacional "serenamente, sem formular juízos prévios".

Diretor da PSP convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública manifestou-se, esta terça-feira, convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP, considerando que a esmagadora maioria dos polícias “não é racista, nem extremista”.