Info

Agências de viagens pedem continuação dos apoios e regras claras para reabertura

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 30 mar 2021 (Lusa) -- O presidente Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira, defendeu hoje a continuação dos apoios às empresas no momento da retoma, que será "crítico" e pediu regras claras para a reabertura.

"O momento da retoma é efetivamente o momento mais crítico do ponto de vista da tesouraria. [...] Temos de continuar com um sistema de apoios, que será apenas coerente e apenas minimamente justo se continuar, e permitirá que os anteriores apoios não caiam em saco roto", disse Pedro Costa Ferreira, que foi ouvido pelos deputados da comissão eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

Na opinião do responsável, é necessário regras claras para a reabertura da atividade, bem como a harmonização das restrições às viagens, para que o setor do turismo consiga ser o "motor" da recuperação económica.

"Estamos a complicar muito as questões relacionadas com a retoma, mantemos uma produção legislativa muito grande, mantemos declarações de ministros infelizes, como foi agora a do ministro da Administração Interna", apontou o presidente da APAVT, referindo-se à decisão de alargar até 15 de abril a suspensão de voos com origem no Brasil e no Reino Unido.

"A nossa palavra de ordem é: vacine-se e descomplique-se", acrescentou.

Pedro Costa Ferreira sublinhou que o setor tem resistido, mas está sacrificado e vai ter "dificuldades em levantar-se", uma vez que as empresas estão endividadas e algumas delas até tecnicamente falidas.

Porém, a APAVT acredita que, com as medidas adequadas, daqui a três anos essas mesmas empresas estarão recuperadas.

Assim, a associação defende que seja desenhado um esquema de recapitalização das empresas, antes do fim das moratórias, com a fixação de um montante específico para as pequenas empresas.

A APVT pretende, ainda, um modelo híbrido de saída das moratórias, com a extensão do prazo de pagamento do serviço dívida em simultâneo, e a manutenção do Apoiar Rendas durante o segundo semestre deste ano.

"Abram a economia e a sociedade sem legislar sobre se se pode pôr o cotovelo ao postigo ou o nariz fora da janela, vamos cingir-nos ao que é fundamental, para que todos possamos começar a trabalhar", frisou o responsável.

Pedro Costa Ferreira deixou também largas críticas à decisão de não se permitir tirar o passaporte, a não ser que se comprove que existe um motivo de força maior para viajar. "Este atropelo legislativo como que banalizou a entrada na nossa vida privada", lamentou, considerando que tirar o passaporte é um direito dos cidadãos.

Para o futuro do turismo, a APAVT espera que haja menos sazonalidade e mais território turístico, considerando ainda importante "vencer o desafio dos mercados distantes", como o brasileiro, americano, chinês ou indiano.

"Para tal, será fundamental que o 'hub' aéreo português se mantenha e, para isso, a TAP tem de ser manter, por um lado. Por outro lado, que avancemos com o novo aeroporto, seja onde for. [...] O aeroporto é uma questão estratégica e não percebo como é que uma questão conjuntural [crise pandémica] volta a atrasar questões estratégicas. Tem de haver uma resposta no quadro da aviação, uma vez que o nosso país está muito dependente do turismo", defendeu.

MPE // EA

Lusa/Fim

+ notícias: País

Estudo revela que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19

Um estudo realizado durante um ano, por um grupo de investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento, da Faculdade de Fármacia da Universidade de Lisboa, revelou que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19.

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos

Marta Temido: "Há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19"

A Ministra da Saúde, Marta Temido, avisa que "há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19" e alerta que "a máscara não é para deitar fora".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS