Info

Covid-19: Quatro casos de infeção levam colégio St. Julian's a colocar alunos em quarentena

| País
Porto Canal com Lusa

Cascais, Lisboa, 14 set 2020 (Lusa) -- Todos os alunos do 7.º ao 12.º ano do colégio St. Julian's, em Carcavelos, Cascais, vão cumprir quarentena de 14 dias, após a identificação de quatro casos positivos de covid-19 na comunidade escolar, anunciou hoje a escola.

"Os casos positivos referem-se a dois professores e dois alunos do ensino secundário, os últimos sem qualquer ligação entre si e aos professores afetados", indicou o colégio St. Julian's, em comunicado, referindo que estes casos foram detetados durante o passado fim de semana.

Neste âmbito, como medida de prevenção e por forma a assegurar a segurança de toda a comunidade escolar, "os alunos de seis anos letivos (Y8 a Y13 -- o correspondente ao 7.º a 12.º ano no currículo português) e professores do ensino secundário destes anos letivos da St. Julian's School, em Carcavelos, iniciaram este domingo uma quarentena preventiva de 14 dias", avançou a escola internacional britânica em Portugal.

"Todos os alunos e professores que tiveram contacto direto com os casos confirmados irão ser testados pelo Serviço Nacional de Saúde e permanecem em isolamento profilático durante pelo menos 14 dias, mesmo que o resultado seja negativo, até que a delegada de saúde autorize o seu regresso à escola", referiu o colégio St. Julian's, assegurando que a medida de quarentena preventiva foi comunicada a toda a comunidade escolar.

A Lusa questionou sobre o número total de alunos em quarentena preventiva, mas fonte oficial desta escola internacional britânica escusou-se avançar essa informação.

Na sequência da quarentena preventiva, todos os alunos do 7.º ao 12.º ano, das secções inglesa e portuguesa, iniciaram hoje aulas à distância, mantendo os mesmos horários definidos para as atividades presenciais.

De acordo com um 'email' que a direção do colégio enviou aos pais, e a que agência Lusa teve acesso, todos os alunos dos 7.º, 8.º e 9.º anos deverão ficar em casa em quarentena por terem sido detetados casos de infeção, relativos a dois professores e dois estudantes.

No 'email', a direção do colégio refere que os infetados já foram contactados separadamente pelo colégio e pelas autoridades de saúde, que vão orientá-los a partir de agora, e os alunos que estão de quarentena em casa vão ter aulas à distância.

Na comunicação dirigida aos pais, é referido que o colégio se mantém em funcionamento normal para os outros anos escolares.

Em declarações à agência Lusa, a mãe de um aluno do 8.º ano da secção portuguesa disse estar "muito preocupada" com a situação.

"Recebemos o email no domingo a pedir que os alunos daqueles anos fiquem em casa por terem sido detetados casos de covid-19. Tentei obter mais informações junto do colégio, mas não consegui", referiu, acrescentando desconhecer quem são os infetados, pelo que os alunos não sabem se tiveram ou não contacto com eles.

Em 01 de setembro, os alunos do colégio St. Julian's iniciaram o novo ano letivo e no ensino presencial.

De acordo com o definido pelo plano de contingência da escola, "estão organizados por 'pods' ou grupos por ano escolar, realizam todas as suas atividades na escola dentro do seu grupo pré-definido na mesma sala de aula, em horários desfasados e percorrendo diferentes percursos por forma a minimizar todos os momentos de contacto e possíveis contágios".

Através da sua empresa de limpeza, o colégio internacional dispõe do certificado "Covid-Out", por oferecer um grau acrescido de higienização e limpeza em toda a escola, com uma limpeza regular ao longo do dia e no final de cada dia, indicou a instituição escolar.

Após a identificação de quatro casos de infeção pela covid-19 na comunidade escolar, "todas as áreas da escola, incluindo aquelas em conexão direta com estes casos, foram submetidas a uma limpeza profunda de nebulização de acordo com o plano de contingência da escola".

 

DD/SSM // ROC/MCL

Luda/Fim

+ notícias: País

Testes rápidos de antigénio de uso profissional continuam gratuitos em fevereiro

Os testes rápidos de antigénio de uso profissional vão continuar a ser comparticipados no mês de fevereiro, tendo em conta a atual situação epidemiológica do coronavírus SARS-CoV-2, segundo uma portaria publicada hoje em Diário da República.

Miocardite por infeção é 60 vezes mais frequente do que após vacina contra a Covid-19

A miocardite por infeção com SARS-CoV-2 é 60 vezes mais frequente do que após a vacinação e pode ter sintomas mais graves e complicações e sequelas a curto prazo, refere um parecer técnico hoje divulgado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.