Info

Ensaísta Delfim Sardo na administração do Centro Cultural de Belém

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 jan 2020 (Lusa) - O curador e ensaísta Delfim Sardo vai entrar no conselho de administração do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no cargo anteriormente ocupado por Miguel Honrado, revelou hoje o Ministério da Cultura.

Delfim Sardo, até aqui assessor da Culturgest para as Artes Visuais, sob a direção de Mark Deputter, ficará no CCB com o pelouro da programação e da comunicação e deve iniciar funções no próximo dia 01 de março.

Nascido em Aveiro, Delfim Sardo, 58 anos, é curador de arte contemporânea desde 1990.

Dirigiu o Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, entre 2003 e 2006, e assumiu o lugar na Culturgest, em Lisboa, por convite do anterior administrador Miguel Lobo Antunes, em 2016.

Professor convidado do Colégio das Artes e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, foi fundador e diretor da revista Pangloss, entre 1997 e 2003, consultor da Fundação Calouste Gulbenkian, em 1999, comissário da representação portuguesa da 48.ª Bienal de Veneza e, em 2010, cocomissário da representação portuguesa na Bienal de Veneza de Arquitetura.

SS/MAG(AG) // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Caso e-Toupeira parado devido ao recurso apresentado por um dos arguidos

O caso e-Toupeira está parado devido ao recurso apresentado por um dos arguidos. A reação do funcionário judicial Júlio Loureiro está a atrasar o início do julgamento.

Covid-19: Autoridades japonesas confirmam infeção de tripulante português

As autoridade japonesas confirmaram hoje que o português Adriano Maranhão, canalizador no navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, deu teste positivo ao coronavírus Covid-19, disse à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Morreram 11 235 pessoas por AVC em 2018, mortes por doenças respiratórias aumentam

Os acidentes vasculares cerebrais causaram em 2018 o maior número de óbitos, com 11.235 mortes, mas os dados melhoraram em relação ao ano anterior, ao contrário das mortes por doenças respiratórias, que estão a aumentar, segundo o INE.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.